Publicidade

Estado de Minas

CDL/BH pede prazo para comerciantes pagarem tributos à PBH e aos governos estadual e federal

Entidade argumenta que greve dos caminhoneiros causou dificuldades de caixa aos lojistas o que pode provocar até a redução de empregos


postado em 01/06/2018 15:23

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

A greve dos caminhoneiros não só causou desabastecimento da população, como também deixou muitos comerciantes em situação complicada em relação à dividas do negócio. Tanto que a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH) encaminhou ofício as três esferas do governo - municipal, estadual e federal -, pedindo a prorrogação do vencimento dos tributos.

A entidade ainda solicitou que os devedores, por 60 dias, não tenham os nomes incluídos no cadastro de débitos e nem tenho protesto em cartório.

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) estima que, de 21 a 28 de maio, os setores de comércio e serviços de todo País tiveram perdas de aproximadamente R$ 27 bilhões. O presidente da CDL-BH, Bruno Falci, disse que as empresas foram muito prejudicadas em saúde financeira e que a situação pode comprometer, inclusive, os empregos.

“Os efeitos da paralisação dos caminhoneiros colocaram em situação de grave preocupação toda a atividade econômica. Os setores de comércio e serviços sentiram os efeitos com vendas em brusca queda”, disse.

Mesmo com a retomada gradual das atividades dos caminhoneiros, os setores de comércio e serviços ainda precisarão de um período para se recuperar das perdas e reorganizar suas finanças. Em especial as pequenas empresas, que são as que mais sentem os reflexos gerados pelo alongamento da paralisação, tendo sua capacidade de pagamento diretamente afetada.

Em nota, a entidade pede que os governantes “considerem os interesses da sociedade” e tomem medidas que reduzam os transtornos causados. “Esperamos que esse grave momento vívido no País nos últimos dias sirva para alertar da necessidade de uma gestão pública mais eficiente, que desenvolva medidas que atendam as demandas da sociedade e fomentem o desenvolvimento da economia.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade