Publicidade

Estado de Minas

Meirelles: com controle da parte fiscal, sobrará mais recursos para investimento


postado em 31/01/2018 13:30

Brasília, 31 - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, repetiu nesta quarta-feira, 31, que a expectativa de todos os economistas é de que 2018 terá crescimento mais forte que o do ano passado. Segundo ele, os investimentos devem ser retomados neste ano. "Na medida em que tivermos fiscal controlado, sobrará mais recursos para investimentos. Com o passar do tempo, a população irá sentir melhora na economia", afirmou, em entrevista à

Rádio Verdes Mares

(CE).

De acordo com ele, durante as reuniões do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, muitos investidores globais o procuraram com planos concretos para novas operações no Brasil. "O País voltou a crescer e criar oportunidades para novos investimentos", afirmou. "O povo brasileiro pode ter esperança, que o Brasil voltou gerar emprego. A inflação caiu e o povo vai sentir isso cada vez mais. Temos ainda muitos desafios, mas a mensagem à frente é de esperança e otimismo", acrescentou.

Questionado sobre o atual patamar do dólar em relação ao real, Meirelles respondeu que é normal que o câmbio varie de acordo com a situação do País e cenário internacional. "Para quem viaja ao exterior, quanto mais baixo do dólar, melhor. Mas, para o setor exportador, é justamente o contrário. É importante que a moeda dê condições aos exportadores para terem preços competitivos", completou.

Previdência

O ministro da Fazenda voltou a dizer que confia na aprovação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados em fevereiro e sinalizou que o governo respeitará eventuais mudanças que os deputados façam na proposta que está no plenário.

"Já houve muita negociação e já foram feitas mudanças pelo relator. Hoje temos substitutivo que já reflete muitas dessas negociações e julgamos esse projeto adequado, correto e já bastante equilibrado, atendendo o interesse de todos", avaliou o ministro.

Meirelles lembrou, porém, que o Congresso é soberano para discutir e aprovar o projeto que tiver maioria. "Não se trata de dizer quais pontos são negociáveis. Estamos defendendo o projeto atual e mostrando importância dele. Evidentemente, o Congresso pode introduzir mudanças, que respeitaremos completamente com como sempre fizemos", completou.

Candidatura

O ministro da Fazenda repetiu que só decidirá sobre sua candidatura à Presidência da República no final de março e não condicionou essa decisão à aprovação da reforma da Previdência agora em fevereiro. "A reforma da Previdência é importante não para candidatura, mas para o Brasil", respondeu. "Hoje minha atenção está concentrada 100% no trabalho como ministro da Fazenda", enfatizou.

Questionado sobre a declaração do líder de seu partido na Câmara dos Deputados, Domingos Neto (PSD-CE), ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado nesta semana, de que o ministro precisa "se mexer" para estar à frente da disputa presidencial, Meirelles disse que irá procurar mais parlamentares após decidir se irá ser candidato, mas também deu a entender que já está trabalhando neste sentido.

"Se tomar a decisão de ser candidato, terei que conversar não só com os parlamentares do PSD, como também com parlamentares de outras legendas. Hoje o diálogo está mais concentrado na reforma da Previdência e terei que conversar também sobre um projeto político. Também terei que conversar com a população, como exatamente já estamos fazendo aqui na rádio", destacou Meirelles.

(Eduardo Rodrigues)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade