Publicidade

Estado de Minas

Ilan defende maior concorrência no sistema financeiro para menor custo do crédito


postado em 30/01/2018 11:00

São Paulo, 30 - O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, citou nesta terça-feira, 30, a maior concorrência bancária entre os caminhos para reduzir o custo do crédito e salientou que a autarquia está trabalhando para dar força a pequenos e médios bancos. Apesar disso, ele reconheceu que o BC não vai conseguir implementar todas as medidas previstas na agenda BC+, que contempla medidas de redução do custo de crédito.

"Nem tudo você consegue fazer imediatamente. Mas se conseguir fazer boa parte, está de bom tamanho", comentou Ilan Goldfajn em seminário do Credit Suisse na capital paulista.

O presidente do BC mencionou os esforços feitos para reduzir o spread bancário no País, entre elas, a duplicata eletrônica, de forma a aumentar as garantias do sistema, o incentivo à competição bancária e o cadastro positivo, que, conforme lembrou, tem ajudado a diminuir o custo do crédito no mundo inteiro.

"Temos trabalhado todos os componentes, garantia, compulsórios, concorrência e informação. Tudo isso faz parte de nossa agenda. Mas não é algo que se muda do dia para outro. Nosso problema é de décadas", comentou Ilan, ao falar sobre o trabalho feito pela autarquia para mudar "estruturalmente" o sistema.

Spread

O presidente do Banco Central disse que a tendência de queda do spread bancário, a diferença entre as taxas de captação e as dos empréstimos dos bancos, deve continuar em razão da redução da Selic, da conjuntura econômica e das medidas lançadas pela agenda da autarquia para reduzir o custo do crédito.

No seminário promovido pelo Credit Suisse, ele afirmou que o primeiro item da agenda do BC a ser debatido no Congresso neste ano é o cadastro positivo, importante para tornar os financiamentos menos arriscados. "Considero que o cadastro positivo é nossa forma de democratizar a informação de crédito, de democratizar de forma cuidadosa", comentou o presidente do BC.

Ele considerou que a agenda do BC para diminuir o custo do credito e reduzir a burocracia bancária, a Agenda BC+, teve avanços relevantes. Também frisou que o BC segue trabalhando para baratear o crédito.

(Eduardo Laguna e Altamiro Silva Junior)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade