Publicidade

Estado de Minas

Com menos recursos, Embrapa busca setor privado

Maior centro de desenvolvimento de pesquisas sobre o agronegócio brasileiro passa por forte reformulação para driblar a falta de dinheiro e melhorar relação com o mercado e produtores


postado em 26/01/2018 12:00 / atualizado em 26/01/2018 12:45

Colheita de soja em fazenda na Bahia: em 2017, o campo contribuiu com 23,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, a maior participação em 13 anos(foto: Paulo Whitaker/Reuters - 1º/4/10 )
Colheita de soja em fazenda na Bahia: em 2017, o campo contribuiu com 23,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, a maior participação em 13 anos (foto: Paulo Whitaker/Reuters - 1º/4/10 )

" A ciência brasileira está passando por dificuldades, não é só a Embrapa. (...) Com mais recursos, estaríamos operando com mais velocidade" - Mauricio Antônio Lopes , presidente da Embrapa (foto: Jorge Duarte/Embrapa/Divulgação)
São Paulo A partir de 1º de fevereiro, a Embrapa coloca em prática uma parte importante de sua estratégia de reformular a forma como atua e assim se tornar uma empresa mais eficiente e adequada ao momento da ciência no mundo. Parte da transformação passará pela desativação da maioria das unidades centrais – de 17 para 6. As unidades de pesquisa e inovação também serão reduzidas de 46 para 42. “A crise colocou a empresa diante do desafio de se ajustar”, diz Maurício Antônio Lopes, presidente da Embrapa. “Por isso estamos procurando ser cada vez mais independentes de recursos do Tesouro para nos viabilizar.”

Segundo Lopes, que ocupa o cargo desde 2012, as mudanças vão ajudar a melhorar processos no dia a dia da empresa estatal, diminuir a burocracia e melhorar a relação tanto com o mercado quanto com os produtores rurais. Dentro de um ano, o executivo acredita que será possível ver os primeiros resultados. Outra alteração será feita nos nomes e atribuições de diretorias.

A que respondia por transferência tecnológica passa a cuidar de inovação e tecnologia. Além disso, foi criada a Secretaria de Pesquisa e Desenvolvimento, que, junto com a nova diretoria, servirá como embrião para outra novidade na Embrapa – mas que ainda depende de aprovação de um projeto de lei na Câmara. Se o projeto de criação da EmbrapaTec for aprovado, a Embrapa passa a ter um braço de negociação de seus ativos, o que vai dar mais agilidade às parcerias. Será uma empresa para lidar com o mercado, administrar a propriedade intelectual de pesquisas e negociar contratos. Hoje isso já é feito, explica o presidente, mas falta um arcabouço mais comercial.


Uma das críticas que tem se intensificado nesse momento em que a Embrapa enfrenta dificuldades de caixa para pesquisas é que as despesas com pessoal são muito altas, mas Lopes garante que os custos na folha de pagamento se justificam, já que “o mais importante em instituições de pesquisa e inovação são os cérebros. Por isso, é preciso retê-los com boa remuneração”.

Segundo Lopes, no mundo, os recursos com pessoal costumam absorver 70% do orçamento das instituições de pesquisa, enquanto que os 30% restantes são destinados à operação. Nos últimos anos, por conta dos contingenciamentos orçamentários e da legislação, os salários do funcionalismo foram reajustados pelo IPCA, enquanto que o valor destinado ao custeio não subiu. Isso fez com que 80% do orçamento da Embrapa fosse absorvido pela folha de pagamento.

“Por isso, estamos correndo atrás de outras fontes de recurso. Hoje temos grandes projetos financiados pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), alguns com o setor privado e há ainda os convênios internacionais. Mas precisamos aumentar essas parcerias”, afirma.

De acordo com o presidente da Embrapa, no entanto, a relação com a iniciativa privada recuou nos últimos anos por causa da crise econômica do país.  “Hoje essas parcerias não compensam plenamente a queda de recursos para pesquisa porque a disponibilidade de outras verbas também está limitada. A ciência brasileira está passando por dificuldades, não é só a Embrapa”, diz.

A expectativa de Lopes é que a Embrapa passe a contar muito mais com recursos do setor privado do que aqueles vindos dos cofres públicos. Ele garante, no entanto, que isso não vai se refletir no aumento de custos para o produtor rural, que costuma pagar por royalties pelo uso de determinada tecnologia desenvolvida por uma empresa. É o caso, por exemplo, das sementes de grãos, como a soja, vendidas por multinacionais como a Monsanto.

Apesar de hoje haver menos dinheiro para o desenvolvimento das pesquisas dentro da Embrapa, como confirma Lopes, isso não deve comprometer o futuro do agronegócio brasileiro. “Com mais recursos, estaríamos operando com mais velocidade. Mas não estamos em situação de perigo ou de comprometimento da agricultura brasileira”, garante.

‘CONTRASSENSO’
Ex-ministro da Agricultura (2007 a 2010) e coordenador da comissão que há quase 45 anos criou a Embrapa, o hoje deputado federal Reinhold Stephanes (PSD-PR) alerta para o risco de o Brasil desacelerar seus aportes para encontrar soluções para o agronegócio. “Não investir em pesquisa é suicídio, um contrassenso. O Brasil precisa justamente do contrário, fazer uma revolução tecnológica”, adverte.

Stephanes concorda com Lopes ao avaliar que o atual modelo de negócio da Embrapa se esgotou, tanto na parte de gestão como na pulverização de suas pesquisas. Segundo o ex-ministro, “hoje são centenas (de pesquisas), por isso talvez tenham que pensar em áreas mais estratégicas”.

Os números mostram como o Brasil, graças a pesquisas como as que são desenvolvidas pela Embrapa, vem ganhando cada vez mais protagonismo no agronegócio porque houve investimento em tecnologia, o que ajudou a aumentar a produtividade no campo. Isso fez com que o país se tornasse cada vez mais dependente desse protagonismo.

Em 2017, segundo a Confederação Nacional da Agricultura (CNA), a agricultura e o agronegócio no Brasil contribuíram com 23,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, a maior participação em 13 anos. Ainda segundo a entidade, a geração de empregos foi a mais alta nos últimos cinco anos. Segundo o Ministério da Agricultura, o país faturou nas duas últimas décadas R$ 1,23 trilhão com o agronegócio.

 

Exportações do setor avançam 13%


Ano após ano, o agronegócio tem mantido a relevância na pauta de exportações do Brasil. Em 2017, os embarques desses produtos somaram US$ 96,01 bilhões, o que representou um aumento de 13% em relação a 2016. Com isso, o setor foi responsável por 44,1% das vendas do país para o mercado internacional.

O superávit também foi maior, passando de US$ 71,31 bilhões (2016) para US$ 81,86 bilhões no ano passado, o que significa o maior saldo da balança comercial do agronegócio da história, atrás apenas do valor alcançado em 2013.

Os produtos com melhor desempenho nas exportações foram soja, itens florestais, carnes, cereais e farinha, além do complexo sucroalcooleiro. A recuperação de alguns preços internacionais, além do aumento do volume de embarques para o exterior, foram os responsáveis pela melhora dos números. Segundo o Ministério da Agricultura, o complexo de soja ficou em primeiro lugar em valor exportado (US$ 31,72 bilhões), à frente das carnes (US$ 15,47 bilhões) e do complexo sucroalcooleiro (US$ 12,23 bilhões).

 

 








Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade