Publicidade

Estado de Minas

Governo Dilma Rousseff gasta mais de R$ 1 trilhão em juros

Valor seria suficiente para financiar o Bolsa Família por 37 anos


postado em 23/03/2015 00:12 / atualizado em 23/03/2015 07:34

Brasília – A conta de juros paga pelo governo bateu recorde na era da presidente Dilma Rousseff. Desde que ela assumiu o comando do país, mais de R$ 1 trilhão foram torrados com o custo da dívida do setor público, segundo levantamento feito com base na série histórica do Banco Central. O montante equivale a quase 80% do valor de R$ 1,2 trilhão desembolsado durante os dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O valor gasto com juros pela gestão Dilma até aqui seria suficiente para financiar o Bolsa Família — a principal bandeira social do governo — por 37 anos, levando em conta o custo anual com o programa em 2014, de R$ 27 bilhões. Somente em 2014, o governo desembolsou R$ 311,3 bilhões, um salto de quase 60% na comparação com o último ano de Lula. Desde 2012, esses gastos têm crescido mais rapidamente. A façanha de acumular R$ 1 trilhão destinados a juros em quatro anos, avaliam especialistas, reflete os erros da política econômica de Dilma.

Na metade do primeiro mandato, a presidente se empolgou quando o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) jogou a taxa básica (Selic) para o menor patamar da história: 7,25% ao ano. Chegou a dizer na televisão que os “juros baixos garantiriam o crescimento do país”. Não deu certo. Como ela não fechou a torneira dos gastos públicos, que dispararam, a inflação voltou a atormentar os brasileiros e o BC se viu obrigado a iniciar, em abril de 2013, uma nova escalada de juros.

Desde então, foram 11 aumentos, até a Selic alcançar os atuais 12,75% ao ano, dois pontos percentuais acima dos 10,75% do fim do mandato de Lula. Com a carestia ainda disseminada e resistente, analistas do mercado financeiro acreditam em mais duas altas em 2015, o que, além de atrapalhar os planos de retomada do crescimento, tende a turbinar ainda mais a conta dos encargos financeiros. “Está claro que a tentativa de baixar os juros na marra, como Dilma fez, foi uma experiência muito mal-sucedida”, avalia o economista e professor da Universidade de São Paulo (USP) Simão Davi Silber.

O volume desse gasto do governo chegou a 6,08% do PIB no ano passado, a maior proporção desde 2007. “É um patamar administrável, não estamos à beira da insolvência. Mas, se o arrocho não vingar, entraremos em uma trajetória mais perversa”, comenta o economista e ex-diretor de Dívida Pública do BC Carlos Thadeu de Freitas. O arrocho a que ele se refere são as medidas fiscais anunciadas pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para recompor o Orçamento da União.

Nas alturas
12,75%
É a taxa Selic ao ano.
Em meados do primeiro
mandato de Dilma Rousseff,
ela estava em 7,25%

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade