Publicidade

Estado de Minas

Indústria do fumo teme perda significativa com fim dos fumódromos

Indústria do fumo, que em 2013 atingiu quase R$ 18 bilhões de receita, estima uma perda significativa a partir de dezembro


postado em 03/06/2014 06:00 / atualizado em 03/06/2014 11:26

Após a Lei 11.705/08, popularmente conhecida como Lei Seca, impactar nas vendas de bebidas alcoólicas, é a indústria do fumo que começa a se preocupar. O Decreto 8.262, que regulamenta a Lei Antifumo, de 2011, foi publicado ontem, no Diário Oficial da União, e começa a vigorar em 180 dias. Uma das principais determinações é a proibição dos fumódromos. O setor, que em 2013 atingiu quase R$ 18 bilhões de receita, segundo a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), já estima uma perda significativa a partir de dezembro.

Para o presidente da Afubra, Benício Albano Werner, a medida desfavorece até mesmo o governo. “No ano passado, o Estado arrecadou R$ 10,7 bilhões só de IPI, ICMS, PIS/Cofins”, afirma. Sem esconder a preocupação com as novas normas, ele acredita que o impacto será inevitável para o setor, que emprega mais de 2,2 milhões de pessoas, direta e indiretamente. “Milhares de famílias serão prejudicadas. Ou o governo termina de uma vez com o cigarro ou indeniza toda a cadeia produtiva, os produtores de tabaco e os trabalhadores nas indústrias”, dispara.

Ao menos 1 milhão de estabelecimentos podem ser impactados em todo o país, segundo números da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). O presidente da Abrasel no Distrito Federal, Jaime Recena, e membro do Conselho Nacional da entidade, ressalta que o fumante consome 27% a mais em bares e restaurantes do que os não-fumantes. “Se há um perfil desse tipo de consumidor e aí proíbe o cliente de fumar, acaba reduzindo o tempo de permanência dele no bar, e vai ter uma redução de consumo”, pondera.

Recena afirma que a associação pretende abrir diálogos com o governo para que o decreto seja revisto. “Da forma que está, traz uma distorção, porque penaliza o empresário, e não a pessoa que comete o ato. O dono do bar e restaurante não tem poder de polícia para proibir eventuais infrações”, diz. A Souza Cruz, uma das maiores empresas do setor, acredita que “restrições desproporcionais e irrazoáveis às empresas legalmente estabelecidas” são medidas que somente contribuem para o aumento do mercado ilegal de cigarros.

O que diz a lei


O Decreto 8.262 altera o Decreto 2.018, de 1º de outubro de 1996, que regulamenta a Lei 9.294, de 15 de julho de 1996. O fumo já era proibido em estabelecimentos fechados em todo o país desde dezembro de 2011, mas até então não havia definição por parte do governo do que seriam considerados locais coletivos fechados.

Agora, as principais normas que afetam comerciantes e o próprio mercado tabagista proíbe mos chamados fumódromos eoconsumo de tabaco em qualquer ambiente coletivo, público ou privado, mesmo que acobertura seja apenas de um toldo ou marquise.

O fumo passa aser liberado apenas para uso na residência, em áreas ao ar livre, parques, praças,vias públicas, tabacarias, cultos religiosos, partes descobertas de estádios de futebol, entre outros espaços.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade