Publicidade

Estado de Minas

Cresce a oferta de serviço personalizado para quem não tem tempo

Oferta de trabalhos como babás de cachorros e acompanhamento de pequenas obras ou até da instalação da TV a cabo são cada vez mais crescentes em um mercado de potenciais clientes


postado em 11/11/2013 00:12 / atualizado em 11/11/2013 07:21

"O trabalho de babá consiste em cuidar do cão enquanto os donos estão fora, com administração de remédios e alimentação, brincadeiras, banho e passeio", diz Flávia Jiamelaro, dogsitter (foto: A hora do passeio/Divulgação)
A recorrente falta de tempo entre pessoas que têm que conciliar a jornada de trabalho com as tarefas de casa e os cuidados com a família vira o principal ativo para prestadores de serviços especializados. De olho nesse público, eles se multiplicam no mercado, oferecendo serviços cada vez mais personalizados, que vão de um passeio com cachorros, ao acompanhamento de pequenas obras e reformas à organização do guarda-roupa. O crescimento desses negócios pode ser explicada pela insatisfação do brasileiro com a falta de tempo para o lazer e para as atividades pessoais.

De acordo com pesquisa-piloto do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a maioria dos entrevistados, 44,5%, se mostra insatisfeita quanto ao uso do tempo e demonstrou interesse em dedicar mais tempo ao lazer. Em seguida aparece a vontade de ficar com a família (29,7%) e, em terceiro, o interesse em dedicar mais tempo aos cuidados pessoais (18,5%). Já o interesse pelos afazeres domésticos aparece no fim da fila, com 5,7% das respostas. No entanto, essas atividades aparecem no topo da lista quando a pergunta é o motivo que os levaram a não conseguir mais tempo para o lazer. A maioria, 51,2%, citou trabalho e 9,5% o estudo.

Mesmo aposentada, Walkiria Oliveira não encontra tempo suficiente para a rotina apertada e é uma das adeptas dos serviços personalizados, que facilitam o o dia a dia. Quase todos os dias, a jornada de compromissos é exaustiva, devido às atividades dos filhos de 16 anos e 9 anos, além da ida à escola. "Depois de três anos como aposentada, só consegui um tempo para mim neste ano”, afirma. Ela contratou o serviço de personal organize. "A profissional arrumou todos os armários, estante de livros e a cozinha. Agora, pagamos apenas pela manutenção do serviço", explica. "

Jane Melo oferece sete serviços reativos à organização dentro de casa(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Jane Melo oferece sete serviços reativos à organização dentro de casa (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Depois de trabalhar por 27 anos nos Estados Unidos e em países da Europa, a personal organizer Jane Melo voltou para o Brasil e, há dois anos, fundou em Belo Horizonte a Lady Personal Organizer. No total, nove tipos diferentes de serviços são oferecidos. Entre eles, house organize, que consiste na organização dos armários da casa de maneira que tudo fique fácil de ser encontrado; o treinamento de funcionários domésticos; manutenção, organização em geral; e catalogação de bibliotecas, documentos e outros itens. Além dele, há ainda o home sweet home, ou lar doce lar, para casais que quando voltam de lua de mel encontram a casa organizada e limpa como gostariam, presentes organizados, lavados e guardados, cozinha arrumada, enxoval lavado, supermercado feito e comida pronta na geladeira.

“Oferecemos ainda serviços opcionais, como a instalação de TV a cabo, telefone, gás, acompanhamos a montagem de móveis e pequenas obras que precisarão ser realizadas no apartamento antes do casamento ou durante a lua de mel”, explica Jane. De acordo com ela, os preços variam de acordo com o tamanho do trabalho e das demandas, mas cabem no bolso dos clientes. O sucesso do negócio, que vem registrando aumento no número de interessados com o passar dos meses, pode ser justificado, segundo ela, pelo valor que as pessoas têm dado ao tempo. “Todos estão vivendo uma rotina corrida e o que eu ofereço a elas é a possibilidade de poder ficar com os filhos e o marido em vez de ter que arrumar a casa”, reforça.

Há seis meses quem também enxergou uma oportunidade foi a geóloga Flávia Jiamelaro, que abandonou a profissão para trabalhar como dogwalker. Seu trabalho consiste em passear com os cães, tarefa difícil para clientes, que têm rotina agitada. Na última semana Flávia lançou um novo serviço: o de dogsitter, uma espécie de babás de cachorros. “O trabalho de babá consiste em cuidar do cão enquanto os donos estão fora, com administração de remédios e alimentação, brincadeiras, banho e passeio”, conta. Os valores dos pacotes de passeios, segundo Flávia, variam de R$ 100 a R$ 250 por mês e a diária de dogsitter de R$ 35 a R$ 70.

DANÇA EM CASA


Conceito semelhante de se antecipar à demanda dos clientes foi adotado pelo professor de dança de salão e economista Wellington Mayrink Dias. Atento às dificuldades de alunos para conciliar a jornada apertada de trabalho e os horários de funcionamento das academias de ginástica e dança, ele passou a oferecer aulas em domicílio. O grupo que prefere o serviço personalizado ainda é restrito, mas o retorno do negócio já assegura 25% da renda apurada pelo professor, que há 19 anos transformou em atividade profissional a dança praticada no tempo livre da rotina entre cálculos e análises econômicas. “O profissional que não se dispuser a oferecer essa opção, certamente vai perder clientes. As pessoas querem otimizar o tempo, um fenômeno das grandes cidades e do tráfego intenso que elas se impõem”, afirma Wellington Dias. (Colaborou Marta Vieira)

Internet vira aliada

A internet também passa a ser aliada de quem precisa esticar o tempo para conseguir realizar as atividades do dia a dia. Em Belo Horizonte, já é possível encomendar flores ou fazer as compras de supermercado com clique. O grupo Super Nosso, por exemplo, inovou com a oferta do Super Nosso em Casa, em que a compra do mês pode ser feita via computador. O serviço está disponível para os clientes de BH, Nova Lima, Lagoa Santa e Vespasiano e a entrega é realizada em períodos específicos (manhã, tarde ou noite), num prazo máximo de 24 horas depois do fechamento da compra. A taxa de entrega é de R$ 19,90, para qualquer localidade coberta pelo serviço. Entre os principais clientes estão as mulheres, que respondem por 80% das vendas.

Já a Giuliana Flores, loja virtual de flores e presentes, que está há 13 anos no mercado, oferece a entrega dos produtos encomendados pela internet no mesmo dia da compra. Para isso, a loja virtual fez parcerias com floriculturas locais que têm produtos com o mesmo padrão de qualidade e podem entregá-las com mais qualidade e rapidez. Basta que o cliente forneça o CEP para ver quais produtos estão disponíveis para a entrega no mesmo dia. Até então, a floricultura on-line realizava entregas em mais de 5 mil cidades, mas com envio em até 48 horas. (CM)

Profissionalismo reconhecido

Ricardo Pereira, gerente da unidade de Educação e Empreendedorismo do Sebrae /MG

“O cenário econômico dos últimos anos favoreceu o aumento dos serviços e o surgimento de novas ofertas. Antes, nem todas as classes eram privilegiadas e podiam consumir esses serviços, mas agora passaram a ter mais renda e menos tempo para usufruir. É um modelo globalizado em que as pessoas compram mais coisas e não têm tempo de cuidar do que compram. No entanto, é preciso que esses prestadores de serviço se profissionalizem para que não sejam enxergados apenas como quebra-galhos. É preciso buscar outras competências e se qualificarem para sere reconhecidos. O mercado paga bem por serviços diferenciados, desde que se reconheça a qualidade do que é oferecido.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade