Publicidade

Estado de Minas

Pioneira, UNA está entre as melhores empresas para se trabalhar

Ranking foi feito pela multinacional GPTW


postado em 19/08/2011 06:00 / atualizado em 19/08/2011 08:51

O Centro Universitário UNA é a primeira instituição de ensino superior eleita entre os 100 melhores lugares para trabalhar no Brasil pela Great Place to Work (GPTW) – instituição multinacional que realiza pesquisas nesse setor em 46 países. Na 15ª edição brasileira, quase 1 mil empresas foram candidatas.

Marcelo Battistella Bueno, vice-presidente do grupo Anima Educação, e João Batista Pacheco Antunes de Carvalho, advogado do grupo: investimento em pessoas(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Marcelo Battistella Bueno, vice-presidente do grupo Anima Educação, e João Batista Pacheco Antunes de Carvalho, advogado do grupo: investimento em pessoas (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
“Implantamos, nas duas instituições, o Sistema Anima de Gestão Educacional, ancorado no tripé qualidade acadêmica, investimento em pessoas e sustentabilidade ambiental, financeira e social", afirmou o vice-presidente da Anima, controladora da UNA e também do Centro Universitário UNI-BH, Marcelo Battistella Bueno, em visita ao Estado de Minas.

A UNA adotou o Sistema Anima em 2003. Desde então, multiplicou em quatro vezes seu números de alunos, abriu 6 campi e lançou mais de 40 cursos. Nesse período, também recebeu o título de segundo melhor centro universitário da Região Metropolitana de Belo Horizonte, no Índice Geral de Cursos INEP/MEC.

Em 2012, a Una deve investir na abertura de novas unidades no estado, sendo uma já confirmada na capital. Também deve iniciar suas atividades de educação a distância (EaD).

O projeto da Anima é o de construir uma rede de instituições de ensino superior que opere em sinergia. “Queremos crescer a partir do compromisso comum com a melhoria da qualidade acadêmica. Para isso, além de uma plataforma de serviços compartilhados, a Anima tem investido no uso intensivo da tecnologia em processos acadêmicos e administrativos, para garantir às instituições da rede competitividade para promover educação de qualidade a um número crescente de alunos”, afirmou Bueno.


Publicidade