Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Carlos Malta festeja os 25 anos do Pife Muderno com show na praça

Sábado (29), o projeto BH Instrumental receberá o aclamado artista carioca e sua banda. Eles prometem criar músicas ao vivo, além de apresentar canções de Guinga e Edu Lobo


postado em 28/06/2019 04:06

Carlos Malta e Pife Muderno comemoram 25 anos de estrada(foto: Guido Paternó/divulgação)
Carlos Malta e Pife Muderno comemoram 25 anos de estrada (foto: Guido Paternó/divulgação)

Tamanha habilidade nos sopros, ao longo de 40 anos de ofício, deu ao carioca Carlos Malta o poético apelido de “O Escultor do Vento”. A criatividade desse multi-instrumentista, notável nas variações da flauta além do clarinete e do saxofone, levou-o a integrar a banda de Hermeto Pascoal, a quem acompanhou até 1993, quando iniciou a carreira solo. Desde então, um de seus muitos projetos de destaque é o Pife Muderno, com o qual ele se apresenta sábado (29), na Praça Floriano Peixoto, com entrada franca.

“Será um show com os nossos hits. Não podem faltar Tupyzinho, de minha autoria, Ponteio, do Edu Lobo, e Nítido e obscuro, do Guinga. Também apresentaremos novidades, como Pife de prata, composta para comemorar os 25 anos do grupo. Além disso, sempre criamos nova música no palco, ali na frente de todo mundo”, afirma Malta.

Formado em 1994, o grupo atualmente reúne a flautista Andrea Ernest Dias, o baterista Oscar Bolão, o percussionista Bernardo Aguiar e o zabumbeiro Rodolfo Cardoso. Seu álbum de estreia, Pife Muderno, foi indicado ao Grammy Latino em 1999. O último disco é Paru, lançado em 2005, mas Malta comemora o fato de seu trabalho seguir conquistando novas gerações.

“Nosso público sempre se renova, pois quem nos curtiu nos anos 1990 leva a juventude para nos ver agora. Quem nunca nos viu vira fã e não nos esquece jamais”, afirma. “Vejo muita gente jovem começando a tocar pífano, criando bandas com sotaque regional e essência universal. Sinto-me um influenciador que foi influenciado pela Banda de Pífanos de Caruaru, por Gilberto Gil, Hermeto, Milton... Adoro saber que pelo Brasil estão surgindo conjuntos de pífanos. Enquanto houver bambu, haverá pife”, diz.

Carlos Malta já gravou com Coreto Urbano, Laércio de Freitas e Dave Matthews Band, além de fazer participações em trabalhos de vários artistas. “Música é arte generosa. É muito gratificante poder ter parceiros que me acompanham em cada projeto que crio. Meus instrumentos são a minha voz. Eles expressam meu discurso eloquente e apaixonado pela arte.”

MINAS O projeto BH Instrumental contará também com expoentes da nova geração da música mineira. O pandeirista belo-horizontino Túlio Araújo vai se apresentar com o projeto Dobradura ao lado de Felipe Vilas Boas (guitarra), Deangelo Silva (piano/teclado) e Frederico Heliodoro (contrabaixo). Conduzido pelo pandeiro, o repertório terá a mistura de samba e jazz.

Outro convidado será o grupo Senta a Pua Gafieira, cuja proposta dançante mescla maxixe, salsa, bolero e guitarrada.

BH INSTRUMENTAL
Carlos Malta e Pife Muderno. Sábado (29), às 19h. Praça Floriano Peixoto, Santa Efigênia. Abertura: Túlio Araújo & Projeto Dobradura e Senta a Pua Gafieira. Entrada franca.


Publicidade