Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Túnel do tempo

LÔ BORGES relembra clássicos do Clube da Esquina e do %u2018Disco do Tênis%u2019


postado em 09/11/2018 05:05

(foto: Flávio Charchar/divulgação)
(foto: Flávio Charchar/divulgação)


Uma viagem ao ano de 1972 permite retomar dois marcos da MPB: o “Disco do tênis” e Clube da Esquina, álbuns revisitados por Lô Borges em Tênis + Clube. Gravado no Circo Voador carioca, o DVD será lançado nesta sexta-feira (9), no Sesc Palladium.


“Já tínhamos um ano e meio de turnê quando resolvemos fazer o registro. Poderíamos ter gravado o DVD em Belo Horizonte, mas fui convidado pelo Circo Voador. É o lugar onde mais fiz shows nos anos 1980, 1990 e 2000”, revela o cantor e compositor mineiro.


O nome oficial do “Disco do tênis” é Lô Borges, o primeiro álbum solo do parceiro de Milton Nascimento no antológico Clube da Esquina. Porém, a capa com a foto do Adidas surrado de Lô foi tão marcante que a imagem acabou “batizando” o LP.


O show desta sexta-feira terá 24 canções. Você fica melhor assim, O caçador, Aos barões, Não se apague esta noite e Faça seu jogo representam o disco solo. O icônico Clube da Esquina vai contribuir com O trem azul, Um girassol da cor do seu cabelo, Tudo que você podia ser, Nuvem cigana, Trem de doido, Paisagem da janela e Clube da Esquina nº 2, entre outras. Lô também incluiu Para Lennon & McCartney, parceria dele com Márcio Borges e Fernando Brant, gravada por Milton em 1970.


“Estamos preparando uma surpresa para o show em BH”, adianta o compositor. As canções chegarão ao palco com os arranjos originais. A turnê dedicada ao “Disco do tênis” estreou em janeiro de 2017.

CONVITE Quando tinha 19 anos, Lô foi convidado por Milton Nascimento para gravar Clube da Esquina, gesto que classifica como de “grande generosidade”. Hoje, ele tem 66. “Era um ilustre desconhecido, fui uma aposta do Milton. No começo, não queria fazer o disco. Era pouco mais que um adolescente tocando violão na esquina de Belo Horizonte”, relembra.


Além de apostar na parceria de Lô e Milton, a EMI/Odeon fez a oferta para o jovem mineiro gravar o primeiro álbum solo. “Assinei o contrato sem nem sequer ter uma música composta”, conta ele. “Fazia música de manhã, meu irmão colocava letra à tarde. À noite, ia para o estúdio gravar e estava valendo para a eternidade.” Em um ano, gravou 24 inéditas. O processo exigiu tanto que, ao final, ele só queria descansar e “soltar o pé na estrada”, como diz a letra de Nuvem cigana. Esse desejo resultou na capa que se tornaria famosa.


“No final, saí meio estressado, não queria saber de gravadora. Queria fazer as coisas que os jovens da minha geração estavam fazendo. Não queria ser fotografado. Sugeri que fizessem a foto do meu tênis e a colocassem na capa. Não previa que ela seria icônica”, diz.

SOLAR O mineiro considera as composições do Clube mais solares, enquanto seu projeto solo é mais underground. “Na época, o ‘Disco do tênis’ ficou ofuscado pelo Clube da Esquina”, relembra. Por muito tempo, o próprio Lô teve mais apreço pelo Clube. No entanto, mudou de ideia quando o músico Pablo Castro propôs o projeto.


“Mantive o afastamento do ‘Disco do tênis’ até três anos atrás. Achava um álbum meio pirado, escutava e me lembrava da loucura para compô-lo. Depois que o Pablo me convidou, vi que o disco é maravilhoso. Hoje, gosto tanto de um quanto do outro”, afirma.


Assim como Clube da Esquina, o álbum solo de Lô rompeu fronteiras. Alex Turner, vocalista do grupo inglês Artic Monkeys, revelou que a canção Aos barões influenciou Tranquility base hotel & cassino, disco de sua banda lançado em maio deste ano.


Esta noite, Lô Borges estará acompanhado de Pablo Castro (voz, violões, piano e guitarra), Gui de Marco (violões, guitarras e percussão), Paulim Sartori (contrabaixo, bandolim e percussão), D’Artagnan Oliveira (bateria e percussão), Dan Oliveira (guitarras, violões e percussão) e Alê Fonseca (teclados e programações).

TÊNIS + CLUBE
Lançamento de DVD. Com Lô Borges e banda. Nesta sexta-feira (9), às 21h. Grande Teatro do Sesc Palladium. Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro. Plateia 1: R$ 90 (inteira), R$ 45 (meia-entrada) e R$ 36 (comerciários). Plateia 2: R$ 80, R$ 40 e R$ 32. Plateia 3: R$ 70, R$ 35 e R$ 28. Informações: (31) 3270-8100. Recomenda-se verificar previamente a disponibilidade de ingressos.
Vendas on-line no site Ingresso Rápido.


Publicidade