Publicidade

Estado de Minas

Responsabilidade Social contribui para agregar conhecimentos e estimular as empresas a investir no capital humano e no social

"A ideia é criar oportunidades, elevar a autoestima, estimular as detentas a produzir e se reintegrar socialmente", diz Dr. Marcelo Schulman, CEO da Vita Derm.


postado em 10/01/2018 13:00

(foto: Dino)
(foto: Dino)
Além de um bom preço e qualidade, o mercado está cada vez mais propenso em consumir produtos e serviços produzidos por marcas comprometidas em transformar alguns cenários sociais que sofrem com as desigualdades e a falta de oportunidades. A Responsabilidade Social Empresarial (RSE) tem um papel determinante na gestão, impulsionando o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando os recursos ambientais e diminuindo as desigualdades.

Por isso, uma empresa com compromisso social age em benefício da comunidade, do meio ambiente e do seu público interno como colaboradores, clientes e parceiros. Além de gerar uma imagem atrativa para os consumidores 3.0, cada vez mais atentos ao que as empresas andam fazendo. Para tanto, a equipe precisa se sentir integrada, ter bem-estar e conseguir crescer profissionalmente, sendo que não pode faltar à gestão os feedbacks e atividades com o objetivo de melhorar a qualidade de vida.

Comprometida com o desenvolvimento de valores humanos, a Vita Derm foca em projetos sociais alinhando a equipe, para que todos entendam a importância da responsabilidade social e abracem determinadas causas. Para o seu presidente Dr. Marcelo Schulman, Farmacêutico e Master em Dermofarmácia e Cosmetologia, Presidente do ISIC e da Vita Derm, o mercado necessita de ações que incentivem a educação com bolsas de estudo, a qualificação profissional, além de trazer produtos que agregam valores e que estão intimamente ligados aos anseios da sociedade como respeitar o meio ambiente, não fazer testes em animais, fomentar a saúde, valorizar o esporte, os idosos, entre outros.

Daí a importância de desenvolver projetos sociais transformadores, independente do momento econômico brasileiro, pois para a Vita Derm os projetos representam a filosofia corporativa que visam também a inclusão no mercado de trabalho, como é o caso do Projeto Reeducandas, que beneficia detentas do sistema penitenciário, com o curso de Assistente de Profissional de Beleza, fornecendo noções básicas na formação de auxiliares em clínica de estética, para atuarem junto à sociedade.

Uma oportunidade de recomeçar e ao mesmo tempo descobrir novos talentos, pois o Projeto Reeducandas tem como base a responsabilidade social na cadeia sustentável, profissionalização para o crescimento humano, a importância da mulher na renda familiar e a geração de renda. "A ideia é criar oportunidades, elevar a autoestima, estimular as mulheres a produzir e se reintegrar socialmente", destaca o Presidente da Vita Derm.

O projeto nasceu do acaso, a partir de um encontro do empresário com a vice-presidente da Associação Comercial e Industrial de Campinas, Adriana Flosi, que explica que tudo começou com a reforma do Palácio da Mogiana, prédio tombado pelo patrimônio histórico, que teve a parceria da iniciativa privada para pintura e pequenos reparos, e a Secretaria Municipal de Serviços Públicos, que designou um grupo de detentos que passaram por um curso de qualificação oferecido por uma fabricante de tintas, o que ajudou muitos a conseguir uma recolocação no mercado de trabalho. O Dr. Marcelo Schulman relembra que ocorreu algo inédito: pela primeira vez foi autorizada a participação de detentas para a realização do serviço de limpeza.

Os envolvidos perceberam uma mudança importante nas mulheres que participaram e então passaram a buscar algo que pudesse prepará-las para quando saíssem da prisão. Nesta ocasião, em 2010, pela primeira vez a Vita Derm pode colocar em prática o curso de Assistente de Profissional de Beleza, em parceria com a Prefeitura Municipal de Campinas, contemplando 50 mulheres da Penitenciária Feminina da região.

A segunda etapa do projeto ocorreu em 2011, na Penitenciária Feminina de Sant´Ana, zona norte de São Paulo, e contou com a participação de 40 internas. Com o sucesso da ação, o projeto foi realizado na cidade de Fortaleza, em 2016, atendendo mais 40 detentas do Instituto Penal Feminino Auri Moura Costa. Em 2015, o projeto recebeu o prêmio outorgado pela ADVB ? Associação dos Dirigentes de Venda e Marketing do Brasil, em Pernambuco.
Os principais resultados qualitativos do projeto foram a propagação do conhecimento, a profissionalização e a autoestima. Além da perspectiva de integrar as detentas à sociedade com a possibilidade de uma profissionalização e renda.

Para o CEO da Vita Derm, o mais importante é enxergar a gestão não apenas como uma busca por lucros, e sim como uma geradora de emprego e renda, que partilha boas ideias. "Seria gratificante proporcionar iniciativas como essa para mais mulheres nessa condição, a fim de que elas possam ter oportunidades e um futuro melhor. O objetivo é estender o projeto para todo o Brasil".






Website: http://www.vitaderm.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade