Publicidade

Estado de Minas

Terminal Intermodal de Jundiaí faz primeira operação, integrando navegação, ferrovia e rodovia

Na primeira operação do TIJU foram movimentados 40 contêineres com produtos da LG Eletronics, utilizando navegação de cabotagem, ferrovia e rodovia


postado em 21/12/2017 12:15

(foto: Dino)
(foto: Dino)
A Contrail Logística começou a operar nesta semana o novo Terminal Intermodal de Jundiaí (TIJU). Em uma área de 75 mil metros quadrados, o terminal oferece uma solução mais eficiente e competitiva para exportações, importações e logística doméstica, via ferrovia, até o Porto de Santos.

Na primeira operação da Contrail no TIJU foram movimentados 40 TEUs (contêineres de 20 pés), com produtos da LG Eletronics. Os contêineres saíram da Zona Franca de Manaus e seguiram via cabotagem até o Porto de Santos. De lá, foram levados pela ferrovia da MRS até o Terminal Intermodal de Jundiaí. Após o desembarque no TIJU, a última ponta de transporte foi feita por rodovia até o centro de distribuição da LG Eletronics em Cajamar, cidade que fica a apenas 27 quilômetros de Jundiaí.

Operações intermodais como esta podem beneficiar especialmente indústrias ligadas à importação (de insumos) ou exportação (de bens acabados), localizadas em cidades próximas a Jundiaí e Campinas, como Louveira, Vinhedo, Valinhos, Itupeva, Salto, Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista, Itu, Amparo e Itatiba ? além de Cajamar.

Em um cenário econômico de baixo crescimento e de busca por eficiência, a ferrovia oferece baixo custo, previsibilidade, acesso sem filas ao porto, um nível elevadíssimo de segurança operacional (baixo índice de acidentes) e da carga (índices quase nulos de roubo) ? estes dois itens reduzem também custos com seguros. Além disso, o transporte ferroviário tem baixo impacto ambiental (uma composição ferroviária, com 21 vagões, transporta o equivalente a 42 caminhões).

Pulmão de cargas

Com sua localização privilegiada e com a integração entre modais de transportes, o TIJU também reduz custos dos clientes com armazenagem de cargas, uma vez que os contêineres podem ficar na área da Contrail, liberando espaço nos estoques das indústrias. Dessa forma, o empreendimento funcionará como um "pulmão logístico", regularizando o fluxo operacional e evitando grandes picos de demandas.

A Contrail vai operar toda a gestão do transporte feito por meio do terminal, desde o porto até a porta do cliente.

"Acreditamos que o transporte multimodal é a solução logística mais eficiente e sustentável e a melhor escolha nas operações envolvendo o Porto de Santos. Com a economia voltando a crescer, é fundamental para o mercado ter uma alternativa ao modal rodoviário, com custo competitivo e outras vantagens", diz Rodrigo Paixão, CEO da Contrail.

Sobre a Contrail

A Contrail Logística S.A. surgiu em 2010, com uma parceria estratégica entre EDLP (Estação da Luz Participações) e MRS Logística. Juntas, estas empresas desenvolveram um modelo logístico para o transporte de contêineres na região mais desenvolvida do país, transpondo de forma eficiente e sustentável a Serra do Mar, que separa o Porto de Santos do Planalto Paulista.

BTG Pactual e Eurogate entraram como sócias da Contrail, trazendo mais solidez financeira e operacional.
A Contrail implantou o primeiro hub intermodal do Brasil, o TIPS (Terminal Intermodal Porto de Santos), com 300 mil metros quadrados de área, capacidade para movimentar até 1 milhão de TEUs por ano e atuando no transporte multimodal de contêineres entre o Porto de Santos e as regiões de Campinas e Vale do Paraíba.

Website: http://contrail.com.br/

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade