Publicidade

Estado de Minas

As 3 principais causas que continuam quebrando as empresas

O empresário, com uma estratégia inovadora para chegar onde realmente quer, uma estratégia para captar mais clientes, já alcançará mais resultados do que hoje


postado em 20/12/2017 17:30

(foto: Dino)
(foto: Dino)
Segundo recentes pesquisas do SEBRAE, quase 50% das microempresas fecham suas portas antes mesmo de completar os dois primeiros anos (vide gráfico1).

As 3 principais causas mencionadas na pesquisa são: falta de conhecimento por parte do empresário, falta de clientes e falta de capital. Somando essas causas, chega-se a quase 50% do total. Crise, altos impostos e concorrência, juntos não chegam a 20%. (vide gráfico 2)

Em relação às pequenas, médias e grandes empresas, esta incidência de quebra cai sensivelmente para os 2 a 3% para o mesmo período de 2 anos.

O coach de negócios Renato Pradillas que já foi diretor de uma empresa por 14 anos e atualmente ajuda os micro, pequenos e médios empresários a lapidar suas empresas, explica "quando analiso essa pesquisa e os gráficos, é notável que existe uma "muralha" para que as microempresas saltem para o próximo nível e se tornem pequenas empresas" onde a incidência de mortalidade é infinitamente menor, sem considerar as micro empresas que até passam pelos 2 primeiros anos mas ficam patinando, sobrevivendo sem gerar lucro satisfatório e criando uma grande frustração na vida de seus donos ou sócios.

Pradillas também faz uma releitura das principais causas "isentando a culpa" do empresário e colocando estes pontos como oportunidades. "O empresário, independentemente do tamanho e segmento da empresa precisa ter uma estratégia inovadora para chegar onde ele realmente quer, uma estratégia para captar mais clientes e, só com isso, ele já alcançará maiores resultados do que vem tendo atualmente".

TRANSFORMAÇÃO

Ainda segundo o especialista, a primeira mudança deve ocorrer na mentalidade do dono ou sócio da empresa, saindo da visão de que ele tem um trabalho que lhe dá sustento para a visão de um(a) homem/mulher de negócios que deve ser rentável e próspero.

Muitos desses empresários podem já estar se sentindo cansados, desmotivados ou até pensando em desistir do negócio por estarem apagando incêndios o tempo todo, focados nos problemas com funcionários, clientes e "matando um leão por dia".

A segunda mudança deve ser na forma como o empresário enxerga o seu negócio. Atualmente a visão pode estar sendo de curto prazo analisando contas a pagar e contas a receber e administrando os problemas conforme aparecem. O empresário precisa primeiro definir onde quer chegar, definir metas claras e desafiadoras, engajar os funcionários nessa visão e criar indicadores para medir periodicamente os avanços e tomando decisões baseadas em informações e não em percepções.

Uma projeção de fluxo de caixa também ajuda a visualizar cenários e se antecipar aos eventos minimizando os imprevistos, contratempos e incêndios que precisam ser apagados com frequência, tirando o empresário do foco na estratégia e colocando-o mergulhado no mundo operacional da empresa.

LAPIDANDO A EMPRESA

Com o intuito em contribuir com os micros, pequenos e médios empresários, Renato Pradillas desenvolveu o Programa LAPIDAR para que o empresário monte uma estratégia clara e sólida com o foco em ter um negócio lucrativo e sustentável. O grupo de seletos empresários está sendo formado. Saiba como participar através do link http://renatopradillas.com.br/videoaplicacaolapidar


Website: http://renatopradillas.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade