Publicidade

Estado de Minas

Franquias: como a tecnologia pode ajudar na gestão da rede


postado em 19/12/2017 15:15

O mercado de franquias se mantém em plena expansão mesmo em tempos de crise, seja por causa dos valores acessíveis de aquisição ou pela oportunidade comercial que se apresenta por meio de marcas já consolidadas no mercado. Segundo um levantamento da Associação Brasileira de Franchising (ABF), apenas no segundo trimestre do ano o setor registrou um crescimento de 6,8%, faturando R$ 37,6 bilhões.

Em um cenário positivo para franquias dos mais diversos setores, a tecnologia vem assumindo um papel protagonista, deixando de ser um departamento isolado e passando a atuar como elemento essencial para garantir que plataformas de serviços voltados para otimização do atendimento, monitoramento de fluxo, acompanhamento de conversão, checkout facilitado, entre outros, funcionem plenamente, sem enfrentar problemas de infra ou conectividade.

Ferramentas e soluções inovadoras que permitem a análise constante referente às visitas nas lojas físicas, por exemplo, são necessárias, senão obrigatórias! E para que ocorra o processo de digitalização do ponto de venda (PDV), é essencial que os estabelecimentos possuam conexões de qualidade, para que o serviço se mantenha on-line, gerando dados que embasam ações a respeito de produto, equipe, potencial do ponto, entre outros reports dados a partir da coleta de informações do estabelecimento e do envio dos mesmos pela internet, permitindo que líderes tenham acesso quase que em tempo real a tudo o que acontece no ambiente de venda.

Ter um olhar especial para o fluxo da loja, cujos visitantes deixam rastros, assim como no mundo online, pode trazer informações valiosas, que até então passavam despercebidas para os gestores. Um exemplo é o número de vezes que a mesma pessoa retorna ao estabelecimento, quanto tempo permanece, qual a seção mais procurada e, por fim, quem é o consumidor. Para que esses dados sejam captados, entretanto, os pontos que já citei no parágrafo anterior são imprescindíveis.

Assim, a gestão de tecnologia passa a ter cada vez mais influência como indicador de sucesso. Com base nas informações acumuladas, é possível estabelecer estratégias comerciais para potencializar os lucros e otimizar o ponto de venda. Dependendo da percepção da marca, qualquer minuto sem que a coleta e análise de dados seja realizada pode ser mais custoso do que o mesmo período sem processar pagamentos. Não há como fugir. O mundo está cada dia mais digital e o varejo físico precisa se adaptar aos novos modelos comerciais para conseguir entregar resultados positivos.

*Marcelo Tavares é CEO da FX Retail Analytics, empresa que oferece inteligência para o varejo por meio do monitoramento de fluxo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade