Publicidade

Estado de Minas

Ativos intangíveis representam mais de 80% do valor das empresas


postado em 15/12/2017 19:45

(foto: Dino)
(foto: Dino)
Não faz muito tempo que os ativos físicos, como imóveis e maquinário, compunham a maior parte do valor de mercado das empresas. Desde os anos 90, com a explosão da internet, essa lógica vem se invertendo: segundo estudo da Ocean Tomo, os ativos intangíveis das 500 maiores empresas passaram a representar incríveis 87% do valor total das empresas em 2015.

Essa transição pode ser verificada, inclusive, no comportamento dos consumidores. Hoje, clientes de bancos consolidados estão confiando em empresas como o Nubank, que fornece serviços de crédito sem nenhuma estrutura física. Outras empresas como Airbnb, Uber e Alibaba também são exemplos desta mudança no mercado.

Para uma marca ser propriedade de alguém e poder desfrutar de todos os benefícios legais ela precisa ser registrada. Porém, infelizmente, a proteção de ativos intangíveis no Brasil ainda é deficiente. Muitas empresas não se preocupam em registrar suas marcas, seja por falta de informação ou por desconforto em relação ao custo. Isso não quer dizer que as empresas que registram estão isentas de problemas: segundo estatísticas do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), 54% das marcas solicitadas para registro têm algum tipo de problema.

"No Brasil, é comum que empresários busquem assessorias especializadas para sanar suas dúvidas", relata Paulo Afonso Pereira, ex-presidente do INPI. "Uma avaliação aprofundada sobre a viabilidade de registro da marca pode evitar muitos problemas - e custos - no futuro" conclui Pereira.

Nesse contexto, algumas empresas estão levando o conceito da intangibilidade a novos patamares. A 123Marcas, empresa focada em registro de marca, encontrou na Internet o caminho para diminuir seus custos e oferecer serviços de registro de marca para pessoas físicas e jurídicas de menor porte. Por meio de investimentos em TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação, a empresa desenvolveu um sistema de vendas e atendimento totalmente online, evitando os altos custos de locomoção necessários para fazer reuniões. O resultado são preços até 70% mais baratos que os da concorrência e, com isso, a empresa cresceu 183% no último trimestre de 2017. O trabalho é todo feito através do portal www.123marcas.com.br e para atender os clientes utiliza e-mail, chat no site, Facebook ou WhatsApp.

Uma ótima informação que vem facilitando e aumentando o pedido de registro de marca
feitos principalmente por proprietários de negócios de pequeno porte é graças a uma política adotada pelo INPI que prevê descontos de até 60% nas tarifas para micro e pequenos empresas. Saiba mais no site do INPI (www.inpi.gov.br) e proteja seu valioso ativo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade