Publicidade

Estado de Minas

Nômades digitais, home-office e prêmios milionários ? Os novos negócios da geração Z


postado em 08/12/2017 15:30

(foto: Dino)
(foto: Dino)
Os jovens estão buscando se desprender de seus pais e crescer de forma independente, a internet e as novas tecnologias são importantes auxiliadores nessa jornada.

Em 2016, as empresas de tecnologia Dell e Intel divulgaram uma pesquisa realizada pela Penn Schoen Berland batizada de Future Workforce Study (Estudo sobre Futuro da Força de Trabalho, em português), consultando 3,8 mil profissionais de pequenas, médias e grandes companhias, em dez países, incluindo no Brasil. Os resultados do estudo identificaram que os brasileiros estão entre os que mais trabalham fora de escritórios, cerca de 53%. Esses números tendem a aumentar conforme o passar dos anos.
Segundo a mesma pesquisa citada acima, 38% dos brasileiros afirmam que esse tipo de atividade, feita em casa, permite maior concentração nos trabalhos, 36% conseguem um melhor equilíbrio de vida e 29% são mais produtivos ao não perder tempo com deslocamentos para o trabalho.

Os jovens estão se tornando experts em fazer negócios digitais, empreendendo por si próprios, utilizando a internet para alavancar seus desejos e crescer pessoal e profissionalmente. Seja empreendendo com empresas de e-commerce, jogos online, canais no YouTube ou até mesmo prestando serviços como freelancer, os adolescentes cada vez mais encontram formas de sair do modelo tradicional de trabalho e criando uma rotina diferente.

Essa transformação gera números grandiosos tanto em receita, quanto em público. Mas a Geração Z, apesar de decidida e aventureira, ainda possui a dificuldade de compreensão por parte dos familiares.
Uma pesquisa divulgada pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), traçou o perfil dos jovens empreendedores de 9 cidades em todo o mundo, inclusive, dentre elas, Rio de Janeiro e São Paulo. O estudo realizado em janeiro desse ano já apontava que empreender e buscar novos desafios está entre os planos de dois a cada três jovens dessa geração.

O YouTube é uma das redes sociais mais conhecidas em todo o mundo atualmente, presente em 88 países sendo uma das apostas desses jovens empreendedores. Criar um canal na rede é simples, a partir daí, basta criar conteúdo e pronto, você pode alcançar o seu público rapidamente e ser conhecido em todo o planeta.

No Brasil, os chamados YouTubers (usuários da ferramenta), são em sua maior parte, jovens que procuram entretenimento e ao mesmo tempo o reconhecimento, tornando-se grandes movimentadores da economia nacional. Alguns deles chegam a gerar milhões de dólares a partir de seus canais falando sobre assuntos diversos, como jogos, estética, humor, ou até mesmo apenas mostrando seu dia a dia.

Em ascensão junto com a tecnologia, os jogos digitais se tornaram uma febre entre adolescentes. Receber uma fortuna sendo o melhor no que gosta: a mina de ouro mais procurada atualmente. Apesar das duras e intensas rotinas, a recompensa é animadora. Em um campeonato mundial de Dota 2 (famoso jogo eletrônico), os valores em prêmios distribuídos chegaram a ultrapassar a marca dos 70 milhões de reais. São valores surreais e extremamente convincentes para quem procura uma forma de entretenimento lucrativo.

Como quebrar a barreira de gerações e como os pais estão lidando com o novo estilo de trabalho adotado pelos filhos?

De acordo com o G1, uma pesquisa feita em 16 países aponta que 90% dos pais têm uma carreira em mente para os filhos. As mais cotadas são engenharia e medicina, contrariando a ideia dos filhos. Esse tipo de conflito de opiniões que divide pais e filhos é reflexo da criação dos próprios pais, que, mesmo sem perceber, afetam intensamente a criação dos jovens hoje.

Há 20, 30 anos atrás, era comum a pressão pela escolha da profissão tradicional e, como consequência, mais lucrativa para os jovens. Os pais pressionavam seus filhos e se importavam com a imagem, opinião das pessoas sobre a profissão que o filho seguiria, e, hoje em dia, esse comportamento ainda é o mais comum.

Para os pais, subentende-se que home-office, YouTube e jogos eletrônicos não são ferramentas que podem ser chamadas de trabalho, pois fogem do normal, da rotina e do costumeiro. Mas uma certeza que se pode ter, é que a tecnologia avança diariamente e as oportunidades que vem junto com ela são fascinantes.


Jhonatan Krupzack


Website: https://conquisteseufilho.com.br/

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade