Publicidade

Estado de Minas

Mutirão médico realiza atendimento em cerca de 3 mil famílias e doa R$ 10 mil em medicamentos no Piauí


postado em 30/11/2017 10:45

(foto: Dino)
(foto: Dino)
"Carmelita ficou sabendo do atendimento e saiu de casa cedo. Trouxe a filha Carla Luane, de dois anos, para consultar com a médica. Há três dias a menina não come e só quer saber de ficar jogada no chão. Na saída da sala da pediatra já estava mais tranquila. Trata-se apenas de uma gripe. A filha foi medicada e liberada.

Mas Carmelita ainda não vai pra casa. Precisa esperar a mãe, de 54 anos, que veio consultar por causa de uma dor insistente no ombro, e o marido. Carlos, 25 anos, quer tirar um dente que tem feito ele passar noites seguidas em claro por causa da dor. O que também tira o sono de muitos moradores por aqui é a falta de trabalho. A seca persistente arrasou plantações de feijão e milho. Só a mandioca se mantém viva. Mas a safra demora um ano, entre plantio e colheita. E sem chuva na hora certa, as famílias tiveram que plantar uma, duas, até quatro vezes a mesma lavoura".

O texto é da voluntária e jornalista Gislene Bastos que acompanha o grupo já pelo 2o ano e retrata uma das diversas histórias que ela vivenciou durante a Expedição Médica VV-Dharma, que levou 29 voluntários, além de outras pessoas envolvidas, para oferecer serviços gratuitos às famílias mais necessitadas do Piauí, no sertão do Brasil. A ação, que durou 10 dias, contou com consultas médicas, atendimento com dentistas, sessões de fisioterapia e exames clínicos. Foram distribuídos 163 óculos de grau e cerca de 10 mil reais em medicamentos.

"A nossa segunda expedição foi bem-sucedida. Conseguimos atender cerca de 3 mil famílias em diversas regiões do sertão. Foi gratificante a relação que criamos com esse povo sofrido e que necessita tanto de ajuda", conta a médica, diretora e atleta, Karina Oliani, que comandou a ação. Karina também é uma das fundadoras do Instituto Dharma, responsável pela expedição junto com o Volunteer Vacations (VV).

Graças às parcerias e a uma equipe profissional envolvida foi possível realizar esse alto número de atendimentos, já que os desafios são grandes. "Existe toda uma logística envolvida que é muito importante", lembra Oliani. Ela conta que é necessário deslocar equipamentos, aparelhos para realização de exames e cirurgias, medicamentos que serão prescritos para os tratamentos indicados, entre outras coisas. "Existem pessoas que não conseguem sair de casa, então nós temos que ir fazer o atendimento de casa em casa. Imagine levar todos os equipamentos e aparelhos. Tudo isso demanda um equipe bem treinada para encarar todo tipo de dificuldade", finaliza. E equipe não faltou. Diversos profissionais gabaritados acompanharam a médica nessa ação humanitária.

A Expedição médica no sertão surgiu por meio do Instituto Dharma criado por Karina Oliani e pelo fotógrafo Andrei Polessi. Criado com o objetivo de ajudar quem mais precisa, tanto no Brasil como no mundo, o instituto já construiu escolas, ajudou famílias no Nepal, entre outras coisas. "Escolhemos realizar essa ação no sertão do Piauí por se tratar de uma das regiões mais carentes do nosso país. Um dos lugares de maior seca e escassez, mas em compensação com pessoas especiais e fortes", afirma. "Ajudar quem mais precisa nos torna pessoas melhores. Agradeço a todos que contribuíram nessa jornada, sendo por meio de ajuda financeira, como pessoalmente", diz Oliani.

A terceira expedição acontecerá em 2018 e já está sendo organizada.



Website: http://karinaoliani.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade