Publicidade

Estado de Minas

Blockchain é oportunidade para o segmento logístico

Embora o conceito do blockchain seja de acesso público, existe a possibilidade de configurar áreas de acesso restrito.


postado em 21/11/2017 15:30

(foto: Dino)
(foto: Dino)
O mercado global de blockchain deve movimentar US$ 7,74 bilhões até 2024, conforme estudos realizados pelo instituto de pesquisa internacional Grand View Research. A adoção crescente da tecnologia para além do setor financeiro, incluindo setor público, de serviços de saúde e logístico, entre outros, é o que deverá impulsionar a demanda.

Blockchain é uma tecnologia que permite executar e documentar transações on-line em um ambiente seguro sem o uso de intermediários, como bancos, plataformas ou tabeliões. Essa característica é atraente não apenas para o setor financeiro, mas também para o setor logístico. Mas a tecnologia realmente pode aumentar a segurança, acelerar processos e reduzir custos?

O sistema foi concebido no final dos anos 2000 para implementação no setor financeiro, após a introdução da moeda digital bitcoin. Desde então, ele se espalhou e promete benefícios para pequenas e médias empresas em diversos setores, embora ainda esteja em fase de testes nesses setores.
Espécie de diário de bordo ou arquivo que lista cronologicamente todas as transações relacionadas a produtos, entregas ou outros serviços, o blockchain é um banco de dados que se atualiza continuamente, o que significa que não é gerenciado por uma autoridade central. Em lugar disso, ele opera de forma descentralizada com uma ampla gama de servidores. Assim, resgata a origem livre e transparente da internet e é muito menos suscetível a ataques cibernéticos.

Fim para o monopólio do conhecimento na cadeia de abastecimento
Tradicionalmente, bancos, tabeliões e similares são os responsáveis por verificar e realizar transações comerciais para seus parceiros de negócio ? com o blockchain, esse modelo pode se tornar obsoleto. Neste sistema, os algoritmos substituem os intermediários, concedendo às partes interessadas acesso ao banco de dados e ao seu arquivo. Isso aponta para o fim do monopólio do conhecimento e para mais transparência. Ninguém pode manipular ou excluir dados sem que seja notado. Tudo é registrado no blockchain, para sempre.

Os provedores de serviços logísticos podem, por exemplo, registrar de forma transparente os eventos de toda a cadeia de suprimentos em um blockchain que fique visível para todos. É possível também identificar lacunas em cadeias de suprimentos e em processos de negócios. Por outro lado, a tecnologia é relativamente complexa e exige recursos intensivos, uma vez que todo servidor ou PC conectado ao blockchain está exposto à carga de trabalho completa e deve prever espaço de armazenamento para o sistema inteiro.

As transações são registradas usando chaves públicas e privadas. Os usuários com a autorização apropriada podem verificar, compartilhar e arquivar as transações. Embora o conceito do blockchain seja de acesso público, existe a possibilidade de configurar áreas de acesso restrito. Os usuários também podem definir seus próprios algoritmos para uma transação.

Aplicações no transporte marítimo
Hoje em dia, há aplicações de blockchain empresariais em desenvolvimento para uso interno. A IBM está entre as pioneiras no desenvolvimento de blockchain e se associou a parceiros, como Walmart e Maersk, para criar uma solução industrial que torne o transporte de contêiner mais rápido e transparente. As primeiras soluções desenvolvidas passam atualmente por testes no porto de Roterdã e a expectativa é que a implementação possibilite redução significativa de custos e crescimento de dois dígitos no volume de embarques realizados pelo serviço de frete marítimo. Este é um benefício para o setor de logística em geral. Além de ser o maior armador de navios de contêineres do mundo, a Maersk é um dos principais parceiros da Dachser em operações marítimas internacionais. A Dachser é uma empresa de origem alemã, líder no segmento logístico.




Website: http://www.dachser.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade