Publicidade

Estado de Minas

Principal causa da mortalidade infantil no Brasil, a prematuridade representa 11% dos nascimentos


postado em 16/11/2017 17:45

O Brasil está na 10ª posição no ranking mundial da prematuridade com aproximadamente 300 mil bebês prematuros por ano (11,7% do total), em conseqüência de gestação na adolescência ou tardia, pré-natal deficitário e doenças maternas. O parto prematuro é a principal causa de mortalidade infantil até 5 anos de idade em todo o mundo. De acordo com o Ministério da Saúde (2011), a cada 30 segundos 1 bebê morre em consequência do parto antecipado no Brasil.

Sáude do Prematuro - O nascimento de um prematuro deixa sequelas psicológicas permanentes para os pais e pode acarretar sequelas de saúde para os bebês, podendo ser estes danos incapacitantes. A Sociedade Brasileira de Imunização recomenda uma tabela específica de imunizações para o prematuro, que requer cuidados especiais. A tabela inclui a imunização preventiva contra VSR ? Vírus Sincicial Respiratório, uma das principais causas de problemas respiratórios em bebês prematuros. A tabela completa de imunização de prematuros pode ser conhecida em https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim-prematuro.pdf.

"A imunização contra o VSR ? Vírus Sincicial Respiratório é oferecida pelo Sistema Único de Saúde para bebês prematuros nascidos com até 28 semanas de gestação, durante o primeiro ano de vida, assim como para bebês com displasia broncopulmonar e cardiopatias congênitas, até os dois anos de idade, como recomenda calendário de imunização especifica, já editado pela Sociedade Brasileira de Pediatria e pela Sociedade Brasileira de Imunização", informa Dr. Renato Kfouri, Presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria e Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações. O período de imunização e a forma de obtê-la (é fornecida gratuitamente pelo SUS) pode variar de estado para estado.

O Vírus Sincicial Respiratório, ou VSR, é de caráter sazonal e geralmente circula nas estações de outono e inverno nos países de estações bem definidas, apesar de não estar relacionado a baixas temperaturas. Para bebês prematuros, pode causar infecções respiratórias graves, hospitalizações recorrentes, com necessidade de ventilação mecânica; em crianças acima de dois anos e adultos saudáveis causa sintomas semelhantes aos de um simples resfriado, mas pode ser fatal em caso de bebês prematuros ou com fatores de risco associados.
Bronquiolite e pneumonia são suas formas frequentes de manifestação de infecção causada por VSR. A longo prazo, uma das suas consequências mais comuns é o chiado recorrente no peito, que pode perdurar até os 13 anos de idade. Não há tratamento específico para a infecção por VSR e, por isso, medidas profiláticas para evitar o contágio e a transmissão do vírus são essenciais.

29 semanas, portadores de cardiopatia congênita, podem receber a imunização contra o VSR, já que este vírus, de caráter sazonal, circula na região a partir de março. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, o Brasil está entre os 10 países com maior número de nascimento de bebês prematuros, índice que coloca o país em posição semelhante aos países de baixa renda. Este vírus é a causa mais frequente de infecções respiratórias do trato inferior de bebês prematuros, nascidos com ou abaixo de 29 semanas de gestação e duas vezes mais comum que o rinovírus em episódios de infecções respiratórias graves. Entretanto, a Sociedade Brasileira de Imunização e a Sociedade Brasileira de Pediatria preveem a imunização contra VSR, em seu calendário de imunizações (http://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim-prematuro-2016-17.pdf).

Entre as medidas preventivas incluem-se lavar as mãos frequentemente e sempre antes de tocar no bebê (o vírus permanece vivo nas mãos por mais de uma hora), evitar aglomerações; higienizar sempre os objetos do bebê (em superfícies não porosas, o VSR pode sobreviver por mais de 24 horas), evitar o contato do bebê com crianças mais velhas e adultos com sintomas de resfriados ou gripes e também evitar contato com fumantes e ambientes poluídos.

Imunização ? "A imunização contra o VSR ? Vírus Sincicial Respiratório é oferecida pelo Sistema Único de Saúde para bebês prematuros nascidos com até 28 semanas de gestação, durante o primeiro ano de vida, assim como para bebês com displasia broncopulmonar e cardiopatias congênitas, até os dois anos de idade, como recomenda calendário de imunização especifica, já editado pela Sociedade Brasileira de Pediatria e pela Sociedade Brasileira de Imunização", informa Dr. Renato Kfouri, Presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria e Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações. O período de imunização e a forma de obtê-la (é fornecida gratuitamente pelo SUS, em casos específicos) pode variar de estado para estado. Para mais informação sobre imunização de prematuros, acesse calendário específico no site da SBIM.

Mais sobre o VSR - O Vírus Sincicial Respiratório, ou VSR, é de caráter sazonal e geralmente circula nas estações de outono e inverno nos países de estações bem definidas, apesar de não estar relacionado a baixas temperaturas. Para bebês prematuros, pode causar infecções respiratórias graves, hospitalizações recorrentes, com necessidade de ventilação mecânica; em crianças acima de dois anos e adultos saudáveis causa sintomas semelhantes aos de um simples resfriado, mas pode ser fatal em caso de bebês prematuros ou com fatores de risco associados.

Bronquiolite e pneumonia são suas formas frequentes de manifestação de infecção causada por VSR. A longo prazo, uma das suas consequências mais comuns é o chiado recorrente no peito, que pode perdurar até os 13 anos de idade. Não há tratamento específico para a infecção por VSR e, por isso, medidas profiláticas para evitar o contágio e a transmissão do vírus são essenciais.

Outras Medidas recomendadas para Evitar Contágio:
? Lavar as mãos com frequência
? Usar lenços descartáveis, em caso de tosse e coriza
? Manter a casa arejada e as superfícies de objetos limpas
? Evitar ambientes fechados e fumaça de cigarro na presença da criança

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade