Publicidade

Estado de Minas

Bom atendimento à população é essencial para sucesso de concessões, afirma CEO da Aegea

Só será possível continuar prestando o serviço de saneamento, ao longo dos anos, se a sociedade quiser que a empresa esteja lá


postado em 08/09/2017 10:30

(foto: Dino)
(foto: Dino)
A profunda crise econômica que afetou as finanças de estados se tornou oportunidade para o desenvolvimento do mercado de concessões de serviços públicos de infraestrutura urbana. Sem recursos para investir na manutenção e ampliação da capacidade das estatais, os entes da federação têm buscado parcerias público privadas para garantir o atendimento à população. O tema foi debatido em uma mesa redonda na escola de negócios Insper e contou com a presença do CEO da Aegea Engenharia, Hamilton Amadeo.

Durante as discussões, o executivo ressaltou que o bom atendimento à população é essencial para o sucesso das concessões. Conforme ele, o andamento dos contratos está atrelado à percepção positiva dos moradores da cidade em relação aos serviços prestados. "Não é o contrato de concessão que garante a empresa privada em determinado município. Só será possível continuar prestando o serviço de saneamento, ao longo dos anos, se a sociedade quiser que a empresa esteja lá. Para isso, é preciso prestar um serviço de qualidade e estabelecer uma relação de confiança e transparência com o usuário", comentou.

A conquista do usuário, detalhou Amadeo, ocorre nos três primeiros anos de contrato e é chamado pelo executivo de "licença social" para operar. O executivo ainda relembrou que a definição de uma remuneração tarifária adequada aos patamares de investimentos necessários para realização de obras e pressão de serviços é essencial para que os contratos não necessitem de revisões. Além disso, ele destacou que é fundamental que os acordos assinados tenham segurança jurídica já que têm longa duração, de até 30 anos, e vigoram independentemente do governante que está no poder.

Atenta a necessidade de aprimorar continuamente o relacionamento com colaboradores, com a administração pública e com a população, a Aegea tem investido no aperfeiçoamento da governança interna. Em 2016, criou a Gerência de Integridade para dinamizar os processos de compliance, tornar a companhia ainda mais transparente e imune a desvios de conduta e corrupção. O debate no Insper ainda contou com a presença de Claudine Anchite, da Engie, e Paulo Boschiero, da Urbeluz, todos executivos da iniciativa privada nos setores de energia e iluminação pública, que detêm contratos de parceria para a execução de serviços públicos.

Website: http://www.aegea.com.br/

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade