Publicidade

Estado de Minas

Federação Médica Brasileira cobra recomposição de investimentos nos Hospitais Universitários

?Não há mais como manter a redução sistemática dos recursos orçamentários para os hospitais universitários" - Waldir Araújo Cardoso


postado em 08/09/2017 09:00

(foto: Dino)
(foto: Dino)
A Federação Médica Brasileira (FMB), entidade que agrega quase 20 sindicatos de médicos em todas as regiões do Brasil, divulga carta em que cobra dos dirigentes a recomposição dos investimentos nos hospitais universitários.

"Esta situação reflete no ensino médico, na pesquisa, no atendimento e nas condições de trabalho e remuneração dos trabalhadores em saúde", comenta o presidente da FMB, o médico paraense Waldir Araújo Cardoso.

A FMB mantém atenta a essa situação e cobra dos representantes governamentais um posicionamento. "Não há mais como manter a redução sistemática dos recursos orçamentários para os hospitais universitários. Precisamos juntos, construir uma saída", acrescenta Waldir.
Confira a nota abaixo:

FMB cobra recomposição de investimentos nos Hospitais Universitários

Os 196 Hospitais Universitários brasileiros são parte fundamental na formação do médico e de outros profissionais de saúde bem como na realização de pesquisas na área. Os HUs são responsáveis por mais de 10% das internações hospitalares de todo o país e realizam quase metade dos procedimentos de média e alta complexidade do SUS. São também fonte de renda para centenas de trabalhadores da área da saúde e afins.

Apesar de sua importância, o governo reduz sistematicamente os recursos orçamentários para esta rede de saúde. Em 2014 foram reduzidos 50% dos recursos de capital para obras e compra de equipamentos e 20% dos recursos de custeio para manutenção, pagamento de bolsas e despesas básicas.

A redução do custeio amplifica os problemas existentes e cria novas situações como o fechamento de emergências por falta de leitos e de profissionais, exigência de cumprimento de cargas horárias incompatíveis com os salários, problemas estruturais, falta de insumos e medicamentos e a falta de reposição de servidores, incluindo professores que se aposentam ou falecem.

Outra situação muito grave com a redução de investimentos é a suspensão de projetos de pesquisa que colocam o Brasil em visibilidade científica mundial por trabalhos de grande magnitude realizados em laboratórios vinculados a essas unidades de saúde.

Os hospitais universitários formam profissionais de excelência em todo o país e precisam cumprir seu papel de formar recursos humanos com capacidade de enfrentarem as novas demandas em saúde. Necessitam gerar conhecimento por meio de pesquisas e atender às demandas sociais sem terem essa condição atrelada ao sistema econômico e político do país.

A FMB cobra do Ministério do Planejamento a liberação integral dos recursos programados para este ano e roga aos parlamentares brasileiros que corrijam no orçamento para 2018, as perdas registradas desde 2014, bem como, apliquem a correção dos valore mínimos da inflação, para que os hospitais consigam sanar suas dificuldades.

Precisamos que os hospitais universitários voltem à normalidade pelo bem do sistema público de saúde brasileiro.

28 agosto 2017.

Federação Médica Brasileira



Website: http://www.portalfmb.org.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade