Publicidade

Estado de Minas

Considerações em torno de convite para conselheiro

Se a resposta a uma ou mais dessas questões for negativa, decline do convite, pois não vale a incomodação nem o risco.


postado em 06/09/2017 14:30

(foto: Dino)
(foto: Dino)
* Telmo Schoeler

Conselhos de Administração viraram moda, cursos de preparação de conselheiros proliferam e muitos profissionais passaram a se disponibilizar como candidatos a membro de um deles. Com experiência de 32 anos de participação e liderança de Conselhos, bem como de implantação de processos e estruturas de Governança, aos candidatos algumas considerações para filtrar e selecionar ofertas e convites.

1 ? Perceba que a Governança Corporativa como um todo e um Conselho em particular requerem uma distinção entre essência e aparência, onde é mais importante "ser" do que "ter". Apenas como exemplo, todas as empresas envolvidas em qualquer das pontas da Lavajato "tem" estruturas de governança, mas nenhuma "é" governança. Aparência e ilusão puras, e elas não são exceção! Qual é a realidade de quem lhe convida?

2 ? É claro para você que a verdadeira função do Conselho não decorre de determinações legais ou estatutárias, mas sim da evolução histórica e inexorável da gestão empresarial, onde a separação da propriedade e gestão é um fato. A pulverização da propriedade uma decorrência natural da sucessão e a complexidade do cenário econômico, financeiro, comercial e tecnológico criaram a necessidade de um órgão de pensamento estratégico e de controle e supervisão da função executiva? Ele é "o Conselho", não importando ser de "administração", "consultivo" ou de "crise". Nele não é importante saber fazer o produto / serviço, mas sim pensar, enxergar inovações e tendências, perceber riscos concorrenciais, tecnológicos e operacionais, identificar oportunidades e ameaças, estar informado. Você está preparado para isso?

3 ? Conselheiro não é para dar conselho, mas sim para analisar, avaliar e decidir sobre caminhos e ações, o que significa assumir riscos e responsabilidades, inclusive legais e penais. E não é válido nem aceitável a desculpa de que não sabia ou não viu. Você está disposto a isso?

4 ? O Conselho é um órgão colegiado e você não estará sozinho. Os seus demais membros são qualificados para as tarefas de análise, discussão e deliberação dos temas estratégicos e possuem o perfil comportamental e ético compatível e requerido?

5 ? A empresa é conduzida com tecnicidade gerencial, adequada e profissionalmente, tendo o seu Conselho controle e comando sobre a diretoria executiva, seus atos e seus relatórios?

6 ? O sistema de registro de atos e fatos, bem como das informações daí decorrentes, é correto, preciso e confiável, mostrando a realidade e permitindo precisas análises e decisões? Implica em dizer que a operação é totalmente legal e formal....

Se a resposta a uma ou mais dessas questões for negativa, decline do convite, pois não vale a incomodação nem o risco. A posição de Conselheiro só tem sentido num estágio em que o ego já desapareceu e a testosterona é capaz de ser controlada.

(*) Telmo Schoeler é fundador e presidente da Orchestra Soluções Empresariais e da Strategos ? Consultoria Empresarial

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade