Publicidade

Estado de Minas

Produção ampliada de laticínios veganos oferece novas alternativas

Atualmente, diversos vegetais podem ser utilizados na fabricação de laticínios veganos. Beneficiando, inclusive, quem tem alergia ou intolerância a soja.


postado em 06/09/2017 12:45

(foto: Dino)
(foto: Dino)
A voluntária Adriana Martins, 52, foi diagnosticada com intolerância à lactose há seis anos. Porém, até descobrir que seu problema era o leite, viveu vários anos com dores abdominais e diarreias constantes. Ela conta que no começo sofreu para fazer as substituições na cozinha, pois não encontrava opções ou se deparava com preços extremamente caros.

Essa não é uma situação exclusiva, já que cerca de 40% da população brasileira possui intolerância à lactose. A mesma dificuldade é enfrentada por aproximadamente 5 milhões de veganos, que optaram por abandonar o consumo de leite de vaca ou de qualquer outro animal.

Para cada produto, uma nova alternativa

Atualmente, diversos vegetais podem ser utilizados na fabricação de laticínios veganos. Essa variedade beneficia, inclusive, quem tem alergia ou intolerância a outros alimentos, como a soja. De acordo com o diretor geral do The Good Food Institute do Brasil (www.gfi.org), Gustavo Guadagnini, cada dia novos produtos são lançados para tornar esse mercado mais próximo do tradicional.

"Temos queijos, iogurtes, pastas cremosas, manteiga, leites, doces. Praticamente tudo pode ter sua versão vegana. Com as inovações em tecnologia de alimentos dos últimos anos, esses produtos começam a ter todas as características desejadas pelos consumidores", diz.

Guadagnini se refere à capacidade do queijo ficar derretido em altas temperaturas, o iogurte ser fermentado de maneira natural e o brigadeiro ficar totalmente cremoso, por exemplo.

Os leites vegetais são feitos, em sua maioria, com oleaginosas (amêndoas e castanhas), grãos ou cereais (soja, arroz e aveia), sementes (girassol) ou frutos como o coco. As receitas de queijos, manteigas e cream cheese precisam conter elementos espessantes, que podem ser os tubérculos (batata ou mandioca) ou óleos vegetais (azeite ou óleo de palma).

Reações do mercado vegano

Escolher corretamente essas matérias-primas para criar versões veganas de produtos lácteos faz parte da origem da empresa Vida Veg (www.vidaveg.com.br). Ela começou suas operações em 2015 com uma linha de iogurtes 100% vegetal.

O diretor executivo, Anderson Rodrigues, afirma que todos os produtos derivados do leite podem ser fabricados na versão vegana. "Em relação a sabor, o que é empregado são os aromas, que podem ser obtidos de forma química ou natural, através de reações enzimáticas que liberam os componentes do aroma desejado", explica.

Quem está na linha de frente e lida diariamente com os consumidores diz receber elogios e reclamações quanto ao sabor de alguns produtos.

"Há pessoas que se decepcionam com o gosto, mas acontece porque elas buscam o mesmo que o de queijo da vaca. Os queijos veganos têm mandioca, castanha de caju ou outros vegetais. Para gostar, não pode haver comparações", orienta o empresário Ricardo Campos, que está à frente da VegaSite (www.vegasite.com.br), um e-commerce vegano.

Um item de sucesso, segundo Campos, é a Queijoquinha, uma mistura em pó ou em gotas que pode ser acrescentada em qualquer receita. O objetivo é dar gosto de queijo aos pratos dos veganos ou das pessoas que têm restrições ao leite de origem animal.

"Neste mês, tivemos 23% dos pedidos de laticínios vindos de pessoas que pediram ajuda para encontrar alternativas à lactose. Sem contar os pedidos que foram feitos diretamente pelo site, sem nenhuma interação no pré-venda", afirma o empresário.

A real necessidade do leite para o ser humano

"Apresentei a rejeição ao leite ainda bebê, mas em 1965 a intolerância à lactose não era conhecida e meus pais passaram a vida trocando as marcas de leite, pois os médicos diziam que o leite era necessário", relata a voluntária Adriana.

Essa situação é bastante conhecida pela nutricionista Beatriz Moreira Valverde. Ela conta que já presenciou colegas de profissão desestimulando a alimentação vegana.

Segundo Beatriz, nós nascemos com bastante lactase (enzima que digere o leite) para termos energia no período de amamentação. Porém, após essa fase, perdemos gradualmente a enzima e, por isso, grande parte da população sofre pela má digestão do leite na fase adulta.

A nutricionista e diretora do Departamento de Saúde e Nutrição da Sociedade Vegetariana Brasileira, Alessandra Luglio, também é enfática: "é importante deixar clara a não necessidade do consumo de leite de animais pelos seres humanos. Todos os nutrientes podem ser encontrados com facilidade em alimentos comuns de origem vegetal", afirma.

Os principais nutrientes importantes presentes no leite animal são as proteínas e o cálcio. O cálcio por ser encontrado, por exemplo, em sementes, castanhas, leguminosas e vegetais verdes escuros.

Website: http://www.vegasite.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade