Publicidade

Estado de Minas

Diversidade é tema central do Claudia Talks 2017


postado em 31/08/2017 18:00

A CLAUDIA, maior revista feminina do país, integrante do portfólio do Grupo Abril, apresenta o CLAUDIA Talks, encontro para aproximar as histórias de algumas das finalistas da premiação e formadores de opinião. O evento aconteceu na quinta-feira (31), no hotel Emiliano, no Rio de Janeiro, e reuniu nove finalistas para debater a diversidade, tema central deste ano. Todas fizeram minipalestras exclusivas para uma plateia de convidados.

As candidatas participantes atuam em diferentes segmentos, mas têm muito em comum: enfrentam desafios, trabalham arduamente e não se deixam intimidar pelas dificuldades. No evento do Rio, as finalistas da categoria Trabalho Social foram presença garantida. Gina Ponte, Karine Vieira e Fernanda Honorato compartilharam com o público suas experiências na criação de iniciativas que mudaram a vida da comunidade onde vivem.

Em Cultura, Conceição Evaristo, Karen Worcman e Cacique Pequena estiveram presentes. Completaram a lista as três finalistas da categoria Consultora Natura Inspiradora, marca patrocinadora do encontro, Eufrasia Agizzio, Lucimara Batista de Lima e Joelma Nunes.

Confira o perfil das finalistas

Gina Vieira Ponte
Educadora, criou um projeto para ampliar o conhecimento dos alunos sobre o papel e a força da mulher. Depois de desenvolver uma metodologia própria, a professora apresentou em aula o nome de mulheres como as escritoras Cora Coralina e Carolina de Jesus, além de Maria da Penha e Malala, e convidou os alunos a pesquisar e escrever sobre elas. Engajados, eles fizeram o projeto crescer. No ano passado, o método lhe rendeu prêmios como o Professores do Brasil, do Ministério da Educação, e o Ibero-Americano de Educação, do qual participaram representantes de 17 países. Agora, Gina lidera um projeto para capacitar professores e replicar o trabalho em outras 15 escolas em Brasília.

Karine Vieira
Assistente social, ajuda pessoas recém-egressas do sistema penitenciário a conseguir emprego. É voluntária da agência de empregos Segunda Chance, do Grupo Cultural AfroReggae, que atende mais de 3 mil pessoas por ano e consegue trabalho para 15% delas. Karine representa a ONG carioca em São Paulo, onde promoveu inovações. Estabeleceu, por exemplo, parcerias com universidades para conseguir serviços odontológicos, médicos e jurídicos para quem acabou de sair da cadeia. Atua dentro das empresas ajudando na mediação de conflitos com os outros funcionários. Para isso, criou os encontros de sensibilização, em que conversa com os colaboradores sobre a realidade do egresso e esclarece questões legais.

Fernanda Honorato
Em seu programa de TV e em palestras, divulga os direitos e as potencialidades das pessoas com deficiência. Fernanda dançava em uma boate quando foi abordada e entrevistada por uma equipe de audiovisual e recebeu o convite para fazer um teste. Aprovada, passou a integrar o time do Programa Especial, da TV Brasil, tornando-se a primeira repórter com deficiência intelectual do país. Orgulhosa por ser "completamente independente", a carioca também viaja pelo Brasil para ministrar palestras sobre inclusão.

Conceição Evaristo
É autora de seis livros, todos sobre a realidade dos descendentes de escravos africanos, moradores de favelas brasileiras. É mestre em literatura brasileira pela PUC-RJ e doutora em literatura comparada pela Universidade Federal Fluminense. Há quase uma década, seus livros passaram a ser adotados em provas de vestibular e, assim, ganharam projeção nacional e internacional. Foi uma das estrelas da Feira Literária de Paraty, realizada em julho.

Karen Worcman
Nascida em uma família de judeus da Europa, desde muito cedo ela aprendeu a nutrir amor pelas histórias. Depois de morar na França e nos Estados Unidos e de estudar dança em Nova York, voltou para o Brasil e cursou história. É fundadora do Museu da Pessoa, acervo virtual e colaborativo que reúne mais de 16 mil depoimentos de vida.

Cacique Pequena
Cantora e compositora de canções sobre o cotidiano dos índios jenipapo-kanindé, que habitam o município de Aquiraz, a 30 quilômetros de Fortaleza. Faz isso enquanto desempenha as tarefas do dia a dia, como a colheita de frutos na floresta ou o banho no rio. Gravadas em português, as músicas são, para ela, uma forma de disseminar a cultura de seu povo.

Eufrasia Agizzio
Mãe de um garoto autista, Victor, 18 anos, a manicure fundou a Associação de Monitoramento de Autistas Incluídos (Amai). O objetivo é fornecer tratamento multidisciplinar a alunos com o transtorno que frequentam as escolas da rede regular de ensino de Santa Bárbara d"Oeste, no interior de São Paulo.

Lucimara Batista de Lima
Organizou o projeto Quero o Verde, que promove a consciência ambiental entre os alunos da escola pública onde é diretora, em Cotia (SP). O coração de tudo é a coleta e a separação do lixo. Também há uma horta que dá cerca de 500 pés de alface a cada dois meses, entre outros alimentos consumidos por alunos e funcionários no refeitório interno. O excedente é distribuído na comunidade.

Joelma Nunes
Moradora de Primavera, no interior do Pará, Joelma ajudou a fundar e administrar a Cooprima, cooperativa que melhorou a qualidade de vida de 30 famílias. Atualmente, elas ocupam 45 hectares de terra. Uma parte é área preservada e a outra foi dividida em cinco agropolos, todos equipados com poços artesianos. Em cada um deles, vivem e trabalham seis famílias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade