Publicidade

Estado de Minas

Brasil reduz número de tabagistas, mas país ocupa oitavo lugar no ranking de fumantes no mundo


postado em 29/08/2017 15:15

"O Brasil tem conseguido reduzir o número de fumantes nos últimos anos, devido a inúmeras campanhas, aumento de impostos e tratamentos específicos com fumantes ativos e passivos, porém o cigarro ainda mata e muito." Essa é a avaliação de Jaqueline Xavier, gerente de gestão em saúde da Vitallis Sanitas, uma das maiores operadoras de planos de saúde no Brasil. E os números comprovam a afirmação de Jaqueline. Segundo dados do Ministério da Saúde, nos últimos 25 anos, o percentual de fumantes diários no país caiu de 29% para 12%, entre homens, e de 19% para 8% entre mulheres.

Apesar da queda, o Brasil ainda não fica muito atrás de países com alto índice de fumantes. O país ocupa o oitavo lugar no ranking de número absoluto de fumantes (7,1 milhões de mulheres e 11,1 milhões de homens). "Neste dia 29 de agosto, Dia Nacional de Combate ao Fumo, é importante reforçar a reflexão sobre os males provocados no organismo pelo tabagismo aos fumantes ativos e passivos e também apoiarmos ainda mais campanhas contra o vício do cigarro, bem como esclarecer sobre as opções de tratamento disponíveis hoje em dia", comenta Jaqueline Xavier.

A dependência química causada pela nicotina do cigarro é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde como doença desde 1997. O tabaco aparece como responsável por uma série de doenças graves e fatais. A gerente da Vitallis explica que a decisão de parar de fumar não é uma tarefa fácil. "Em muitos casos, o tabagista precisa de apoio para largar o vício. O próprio Sistema Único de Saúde (SUS) oferece desde 2004 um tratamento gratuito nas Unidades Básicas de saúde e nos hospitais para quem deseja parar de fumar e não consegue".

No mundo, mais de 6,4 milhões de mortes foram associadas ao cigarro. Metade dessas mortes teriam ocorrido em países como China, Índia, Estados Unidos e Rússia de acordo com estudo divulgado em 2015 pela publicação científica The Lancet. O estudo ainda constatou que naquele ano aproximadamente 1 bilhão de pessoas no mundo fumavam diariamente: um em quatro homens e uma em cada 20 mulheres.

Apesar de o governo brasileiro ter realizado diversas medidas para reduzir o consumo de cigarro no país, outras medidas estão sendo estudadas. Exemplo disso é o aumento do preço dos cigarros em 50% e a proibição de aditivos de sabores ao cigarro, pois, afinal, esse é um subterfúgio para atrair adolescentes para o consumo de tabaco.

Jaqueline lembra que a boa notícia é que existem cada vez mais formas efetivas para ajudar o cidadão que deseja largar o vício do cigarro. O tratamento pode passar por grupos de apoio com ajuda psicológica e terapia medicamentosa. Além de contornar a abstinência, é preciso desvincular o cigarro de emoções, como tristeza e alegria, ou de hábitos, como tomar café ou ingerir bebida alcoólica. A avaliação médica é indispensável para indicar o tratamento ideal personalizado a cada paciente.

"Assim a mudança de hábito comportamental é um foco a ser abordado para evitar o tabagismo. Mais e mais campanhas devem ser sempre estimuladas contra o tabagismo ainda na idade infantil. Pesquisas revelam que é na adolescência que muitos se iniciam no vício do cigarro. Por isso, a importância de uma ação conjunta entre escolas, sociedade, governos e comunidade médica na luta contra o tabaco", ressalta Jaqueline Xavier.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade