Publicidade

Estado de Minas

Negócios imobiliários: plataforma digital é opção ao modelo tradicional


postado em 25/08/2017 13:30

(foto: Dino)
(foto: Dino)
Para se ter uma ideia atual do setor imobiliário, no primeiro quadrimestre deste ano, pesquisa realizada pelo Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP, apontou uma redução de 4,3% comparada ao mesmo período de 2016 e, ao que parece o reaquecimento do mercado deve levar mais tempo.
As tendências de operação do mercado imobiliário devem mudar gradativamente como acontecem em outras áreas de negócios e alternativas online podem ser um ativador econômico.

Os serviços imobiliários no Brasil são os mesmos há mais de 80 anos e muitas pessoas já estão cansadas de se sentirem reféns do modelo atual.
Com o intuito de elevar o padrão de qualidade em um mercado que acumula críticas unânimes e necessidades latentes de melhorias que o especialista em inteligência imobiliária, Luciano Amado, reuniu sua experiência de mais de 15 anos neste mercado para desenvolver um modelo de compra e venda de imóveis que, de fato, atendesse as necessidades dos clientes ? tanto compradores quanto vendedores.

Com foco na tecnologia surgiu a Hubbers, uma alternativa ao velho sistema de corretagem, trazendo agora mais liberdade para ambos os lados, comprador e vendedor, oferecendo suporte de especialistas para que a transação seja segura e eficiente. O novo modelo de negócio trabalha visando atrair pessoas com real interesse de compra e, a partir disso, faz a conexão digital do comprador com o vendedor, sem a necessidade da intermediação de um corretor nos moldes tradicionais.

A plataforma online é operada por especialistas em atendimento que trabalham das 9 horas até 22 horas, ou seja, um horário mais abrangente, deste modo, a partir do momento que chega a mensagem solicitando informações, a plataforma consegue atender imediatamente, oferecendo os dados completos a respeito do imóvel. Portanto, cria-se um vínculo com a pessoa interessada logo no início das buscas, aumentando a chance de sucesso comercial. Além disso, oferece a possibilidade de visitar o imóvel sem sair de casa, por meio de um filme que reproduz a experiência de visitar o imóvel fisicamente.

"Trata-se de respeito ao tempo do cliente, que precisa e merece ter sua demanda atendida de forma rápida e eficaz, no instante em que ele quiser, afinal, é assim o comportamento de quem está na internet. A ideia é respeitar a liberdade de escolha do comprador, por isso ele tem acesso a um conteúdo de altíssima qualidade sobre o imóvel que ele está interessado, evitando desta forma que ele passe pela experiência de uma visita frustrada", explica Luciano.

O especialista em inteligência imobiliária explica que a filosofia da empresa é considerar o vendedor como a pessoa mais capacitada para falar sobre o seu imóvel, pois além de viver no ambiente, foi ele também que um dia comprou esse imóvel e, por isso, sabe os reais motivos do porque aquele é o melhor lugar para morar. "Para o vendedor, é mais fácil repassar todas as informações do imóvel, a história da sua casa e o que o motivou a comprá-la", destaca Amado.
Desta forma, o interessado pode negociar os detalhes da compra com o próprio vendedor, eliminando burocracias ou taxas extras para seu orçamento. Através deste formato a plataforma consegue cobrar apenas 3% de taxa de corretagem.

As atividades imobiliárias digitais estão apenas no início no país, mas nos EUA estão mais consolidadas.
Não é preciso ir muito longe para perceber que diversos setores da economia já se adaptaram aos modelos disruptivos e estão ganhando a preferência de um consumidor, hoje mais seletivo e exigente. A exemplo das startups de motoristas particulares que revolucionaram o mercado de transporte nas grandes cidades, o mercado imobiliário começou a migrar gradativamente para o universo digital. A tendência, de acordo com especialistas, é que essas soluções tecnológicas avancem cada vez mais como tem ocorrido nos sites de comércio eletrônico e outras áreas de negócios.


Website: http://www.hubbers.com.br/

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade