Publicidade

Estado de Minas

Hora de investir: escolher um banco ou corretora independente?

Corretoras costumam oferecer produtos mais vantajosos para atrair novos investidores


postado em 23/08/2017 10:30

(foto: Dino)
(foto: Dino)
A grande dúvida que surge na cabeça do investidor brasileiro, atualmente, é confiar o seu dinheiro a um banco tradicional ou partir para uma corretora independente. A tendência atual, em amplo crescimento no país, é a procura pela diversidade de opções e as melhores taxas.

A principal diferença na distribuição de investimentos entre as duas opções é que normalmente a oferta é mais ampla nas corretoras, já que elas oferecem aplicações de várias instituições financeiras, como bancos e gestoras de investimentos.

Os bancos, porém, se aproveitam do fato de ter um volume muito maior de clientes que, muitas vezes por comodidade, não buscam outras alternativas para investir. Por terem acesso a uma gama maior de clientes, os bancos não precisam fazer um esforço tão grande quanto as corretoras para atrair novos investidores. Por outro lado, as corretoras buscam chamar atenção de novos investidores oferecendo aplicações com remunerações mais atrativas.

Os clientes convencionais, que não possuem centenas de milhares de reais para investir, podem ter acesso apenas a produtos com retornos inferiores à média do mercado caso optem por investir por meio de grandes bancos. Já as corretoras independentes costumam oferecer produtos mais vantajosos, justamente para atrair novos investidores.

Do ponto de vista de risco institucional, não há muita diferença entre investir por meio de bancos ou por meio de corretoras. Por mais que a corretora quebre, o sistema financeiro tem diversos mecanismos que hoje protegem o investidor.

Criada como uma startup em 2014, em Santa Catarina, a EuQueroInvestir (www.euqueroinvestir.com) é um exemplo desta mudança de atitude entre os investidores brasileiros na atualidade, que buscam as corretoras independentes como melhor forma de fazer o dinheiro render mais.

Com foco no atendimento online e dicas gratuitas sobre investimentos, a empresa vai ultrapassar seu primeiro bilhão de reais em assessoramento financeiro até o final do ano e ter um home broker próprio. Em 2016, foram R$ 475 milhões sob assessoria, número quatro vezes maior ante o ano anterior.

"Podemos procurar e selecionar o que há de melhor em cada instituição financeira, entregando o melhor resultado para nossos clientes. E ele não pagará nada a mais por isso, quem nos comissiona são os bancos e gestoras. Nesta relação, somos responsáveis pelo atendimento ao cliente, compreensão de suas necessidades e apresentação de fundos adequados ao seu perfil", explica Juliano Custódio, especialista financeiro e sócio da empresa.


Website: http://www.euqueroinvestir.com/

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade