Publicidade

Estado de Minas

Segundo estudo, alugar o carro próprio é uma tendência que veio para ficar

Plataforma online viabiliza aluguel de carro próprio


postado em 10/08/2017 15:15

(foto: Dino)
(foto: Dino)
A mais recente edição do Global Automotive Consumer Study: Future of Automotive Technologies, realizado em 17 países em 2016, incluindo o Brasil, mostrou que cresce a aceitação do compartilhamento de automóveis. O estudo mostrou que 55% dos brasileiros ouvidos, que usam veículos compartilhados, dispensariam a compra de carro próprio, e entre os jovens esse número sobe para 62%. Os resultados desse estudo foram publicados por Brasil Econômico em maio deste ano.

O compartilhamento de carros de pessoa para pessoa ainda tem muito espaço para crescimento no Brasil. Segundo a ABLA/LAFIS, existe atualmente 26.825.784 usuários de serviços de locação de carros no Brasil. Desses, 23% são pessoas físicas que alugam carros para turismo ou lazer. Parece ser uma parcela pequena, no entanto corresponde a mais de 6 milhões de usuários, e são majoritariamente essas pessoas que o aluguel de carro compartilhado começa a impactar.

Quando se fala em alugar um carro, muita gente pensa nas locadoras tradicionais. Mas o compartilhamento de automóveis segue outro modelo, no qual qualquer pessoa pode colocar o próprio carro para ser locado a outro usuário por meio de uma plataforma online.

No caso do Parpe, startup brasileira que atua em todo o País, a ideia é encontrar um carro pertinho de você, o que pode ser mais conveniente que utilizar uma locadora tradicional, não precisando enfrentar filas ou preenchimento de papéis.
De acordo com Lucio Gomes, diretor do Parpe, existem diferentes perfis de anunciantes no sistema. "Se uma pessoa utiliza o carro apenas uma vez por semana, ela pode disponibilizar o seu veículo para aluguel aos finais de semana. O mesmo pode fazer quem vai viajar por alguns dias e não vai usar seu carro nesse período", diz ele. "Assim, cada proprietário faz o próprio negócio, o próprio tempo e as próprias regras", completa o diretor.

Alugar o próprio carro também representa uma fonte alternativa de receita, um dinheiro extra para viajar, trocar de carro, fazer uma reforma em casa. Além disso está em conformidade com uma mentalidade que busca aproveitar o máximo dos recursos que temos. Se você alugaria um apartamento que não está em uso, por que não alugar também um carro parado?

"O carro, assim como uma casa ou um apartamento, é um bem, um recurso, um ativo, e pode sim ser usado como investimento", diz Lucio. Do outro lado, o motorista que busca um carro para alugar tem acesso a uma variedade maior de automóveis, adequados à sua necessidade, e pode fazer tudo online por meio de um site ou de um aplicativo, e até receber o automóvel em sua casa ou escritório, bastando combinar com o proprietário do automóvel.

Os cuidados com a segurança são outra prioridade para o Parpe. Segundo o diretor da empresa, o Parpe tem a cobertura da Mapfre Seguradora, que cobre problemas que envolvam quebra, acidente ou furto. "Isso dá mais tranquilidade para o proprietário do carro", diz Lucio Gomes. "Se o carro apresenta algum problema na estrada, a Mapfre pode enviar um táxi para buscar o motorista do carro e seus acompanhantes. Enquanto isso o carro é levado ao conserto por um guincho também incluído no seguro do veículo", completa ele.

Além da Conveniência
Os serviços de pessoa para pessoa, também conhecidos como P2P, ou peer-to-peer, são adotados não só por quem busca uma conveniência para si, como economia de tempo, de dinheiro, facilidade de contratação, dentre outras, mas também por aqueles adeptos de um consumo mais consciente.

O serviço P2P de carros tem pontos positivos que além de favorecer as duas partes envolvidas na transação ? motorista e proprietário do carro ? também contribui para a cidade como um todo, reduzindo o número de carros circulantes e o trânsito, diminuindo os níveis de poluição e representando uma forma inteligente de se locomover e utilizar os recursos.



Website: https://www.parpe.com.br/

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade