Publicidade

Estado de Minas

Proteção animal se faz promovendo a posse responsável

As pessoas precisam se conscientizar que recolher e levar os animais para abrigos, não resolverá o problema do abandono.


postado em 09/08/2017 18:30

(foto: Dino)
(foto: Dino)
Os animais não devem ser considerados como uma propriedade. Nós não temos direitos absolutos sobre eles, mas devemos promover o seu bem estar. Os cuidados necessários não estão apenas relacionados para impedir que o animal fique vagando pelas ruas, preso o dia todo na solidão de um apartamento vazio ou abrigado em uma entidade protetora, confinado em canis ou acorrentado, tornando-o profundamente infeliz.

Segundo Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News ( www.revistaecotour.tur.br) ? "o animal precisa de liberdade, de movimentos, de proteção e principalmente, de uma identidade. Cada animal é único e precisa ser respeitado".

Devemos lutar contra a percepção de que os animais são apenas "coisas" feitas para servir aos humanos. Ninguém deveria tê-los como companheiros, se não estivessem dispostos a assumir um compromisso para toda a vida. O abandono é um ato cruel e degradante.

As pessoas precisam se conscientizar que recolher e levar os animais para abrigos, não resolverá o problema do abandono. Eles acabam fatalmente sendo vítimas de estresse, brigas, doenças ou sofrendo a eutanásia. Por melhor, que seja a intenção, se a pessoa não pensar no bem estar do animal, ela jamais o estará protegendo.

A maneira mais correta de garantirmos aos animais uma condição de vida digna, erradicando a população canina e felina das ruas, seria através de uma providência compatível e contínua, voltada para toda a comunidade.

Contando com o apoio dos poderes públicos e de clínicas veterinárias, poderão ser realizadas campanhas educativas de incentivo à posse responsável e à castração de machos e fêmeas.

O resultado deste trabalho permitirá um controle populacional. Assim, os abrigos, terão animais bem tratados, dentro de um número razoável, os quais poderão ser encaminhados para adoção. Mas, enquanto isto não ocorre, o que fazer com os animais abandonados? Precisamos apelar ás pessoas sensíveis para que os acolham, plantando a semente da caridade e colhendo os frutos do amor incondicional.

"É muito triste permitir que os animais paguem com a vida o preço da incoerência humana. Num dia distante os trouxemos para nossa sociedade e, hoje, nos omitimos em assumir a responsabilidade por esta atitude", conclui Vininha F. Carvalho.


Website: http://www.revistaecotour.tur.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade