UAI
Publicidade

Estado de Minas GASTRONOMIA

Brasil tem 2 representantes na lista dos 'melhores restaurantes do mundo'

Casa do Porco, situada em São Paulo, ficou com a sétima colocação, enquanto o carioca Oteque, especializado em frutos do mar, é o 47º


18/07/2022 21:11 - atualizado 19/07/2022 00:08

A Casa do Porco
Restaurante paulistano A Casa do Porco está entre os melhores do mundo (foto: Reprodução/ Google Street View)
O restaurante dinamarquês Geranium, do chef Rasmus Kofoed, em Copenhague, foi escolhido como "o melhor restaurante do mundo de 2022" em uma cerimônia realizada nesta segunda-feira (18), em Londres, da influente lista 'World's 50 Best Restaurants'.

O peruano Central, em Lima, ficou na segunda posição, enquanto a medalha de bronze ficou com o espanhol Disfrutar, de Barcelona.

O Brasil, por sua vez, conta com dois representantes na lista elaborada pela revista especializada britânica Restaurant, a mais prestigiada do mundo da gastronomia.

A Casa do Porco, situada em São Paulo e comandada pelo casal Jefferson e Janaína Rueda, ficou com a sétima colocação, enquanto o carioca Oteque, do chef Alberto Landgraf e especializado em frutos do mar, é o segundo representante brasileiro da lista, na 47ª posição.

Este é o segundo ano consecutivo em que um restaurante dinamarquês recebe o título. No ano passado, o Geranium ficou em segundo lugar, atrás do Noma, que também está na capital dinamarquesa.

Inspirado pela natureza, seu chef Rasmus Kofoed ganhou o Bocuse d'Or em 2011 e seu estabelecimento recebeu as primeiras três estrelas Michelin em 2016.

Premiação desde 2002


A premiação acontece desde 2002 e os restaurantes são avaliados por 1.080 "especialistas independentes" (cozinheiros, jornalistas especializados, proprietários de restaurantes, "turistas gourmet", etc.), que pontuam suas experiências nos últimos 18 meses.

Distribuídos em 27 regiões do mundo, cada um pode escolher 10 restaurantes, dos quais pelo menos três devem estar fora de sua região geográfica.

A cerimônia, prevista inicialmente para Moscou, foi transferida para Londres após a invasão russa da Ucrânia em fevereiro. Na classificação final, não havia nenhum restaurante russo, como haviam anunciado os organizadores em março.

A legitimidade deste ranking, que é patrocinado por várias marcas, costuma ser contestada, especialmente por cozinheiros franceses que o acusam de complacência e opacidade.

Por isso, seus detratores, incluindo franceses, japoneses e americanos, lançaram em 2015 "A Lista", um ranking de 1.000 restaurantes em todo o mundo.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade