Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Gim

Minas Gerais vai além da cachaça e produz destilados que já receberam prêmios internacionais


postado em 30/06/2019 04:08

Sem frutas cítricas, o Jungle Gin combina anis, manjericão e kummel para garantir o frescor(foto: Jungle Gin/Divulgação)
Sem frutas cítricas, o Jungle Gin combina anis, manjericão e kummel para garantir o frescor (foto: Jungle Gin/Divulgação)



Nos últimos tempos, a cachaça deixou de ser o único destilado produzido em Minas Gerais. Desde que o gim reapareceu nos drinques de bares e restaurantes, o cenário mudou. Belo Horizonte e cidades do interior agora abrigam destilarias que produzem artesanalmente à bebida a base de cereais e especiarias (com destaque para o zimbro). A cada rótulo, uma surpresa.


André Sá Fortes foi dono de bar de coquetelaria e sentia falta de destilados artesanais, fora a cachaça, no Brasil. Isso já era tendência na Europa e ele acreditava no potencial do nosso mercado. “Então, me associei a uma pessoa que tinha uma destilaria em Londres e já entendia do negócio”, conta o fundador da Yvy, palavra que significa território em tupi-guarani.
Os sócios criaram três rótulos para mostrar, através do gim, como a cultura brasileira se desenvolveu. O primeiro rótulo, Mar, faz referência à chegada dos imigrantes, por isso destaque para as especiarias (como cardamomo, noz-moscada e canela), que motivaram as expedições para o Brasil.


O segundo gim, Terra, com lançamento previsto para novembro, colocará em evidência a cultura indígena. Já o terceiro, Ar, programado para março do ano que vem, fará uma junção entre as influências externas e a cultura local. “Seria muito raso ir ao mercado e comprar meia dúzia de ingredientes, então começamos uma expedição para visitar os seis biomas brasileiros”, conta. Alguns dos ingredientes escolhidos são baru, pequi, pitanga, uvaia, cambuci, cipó-cravo, alecrim-do-cerrado e mangaba.


A Yvy quer mostrar que gim não precisa viver só de tônica. Um dos drinques servidos no Herbário, bar da marca no Mercado Novo, é o coladinha, uma versão de piña colada com gim, água de coco e suco de abacaxi caramelizado. “O mineiro já está começando a entender as suas preferências, mas falta entender que, assim como a cerveja artesanal, você não precisa ter um só gim preferido. Cada um tem caraterísticas diferentes e a experimentação deve acontecer mais”, opina André.


Da cerveja para o uísque e do uísque para o gim. Pelos olhos de Paula Lebbos, a Backer enxergou um novo mercado e entrou de vez para o mundo dos destilados artesanais. “Fazendo pesquisas mundo afora, percebi que o gim era a bebida da vez, como a vodca era na minha época de juventude. Então, percebi que poderíamos fazer, mas de uma forma diferente”, conta a diretora de marketing.


Nada mais apropriado para a Backer do que criar um gim com matéria-prima usada na fabricação das cervejas. Na composição do Lebbos Hop Gin (que recentemente ganhou medalha de bronze na Califórnia como melhor gim contemporâneo), o malte e a flor de lúpulo se misturam a botânicos tradicionais, como o zimbro. “É um gim mais seco, bem leve e com aromas de frutas, não só limão e laranja. Tem uma pegada de mel e pêssego que o lúpulo trouxe”, descreve.

TÔNICA Segundo a diretora de marketing, a Backer vai lançar, em breve, uma água tônica natural feita com lúpulo para combinar o seu gim.


Uma fazenda em Camanducaia, no Sul de Minas, abriga uma das primeiras fábricas brasileiras de gim. O paulistano Augusto Simões Lopes desbravou esse mercado numa época em que só existiam importados e industrializados. “Tive a oportunidade de experimentar gim em vários países e me apaixonei pela bebida. Vi que não existiam opções no Brasil e resolvi empreender”, conta. O Jungle Gin nasceu em 2017 e já ganhou quatro medalhas internacionais.


Augusto se baseou nos gins que experimentou pelo mundo para criar a sua própria receita. “Não trabalhamos com nenhum cítrico na formulação para evitar a oxidação. Fazemos o casamento de três botânicos – anis, manjericão e kummel (primo distante do cominho) para dar o frescor”, explica. Na boca, sente-se o frescor dos botânicos, o doce da canela, depois a picância da pimenta-rosa e por fim o amargor do cardamomo. Uma das sugestões é misturar o gim com tônica, mirtilo e casca ou fatia de laranja.


Publicidade