Publicidade

Estado de Minas DISCO

Churrus lança 'Besides', indie rock mineiro com tempero inglês

Letras das canções se inspiram na conexão histórica entre a Inglaterra e São João del-Rei, cidade natal do compositor e guitarrista Túlio Panzera


21/11/2020 04:00 - atualizado 21/11/2020 08:31

Integrantes da Churrus buscam pavimentar a %u201Cferrovia atlântica%u201D sonora que liga Minas aos britânicos(foto: Erismar Nepomuceno/Divulgação )
Integrantes da Churrus buscam pavimentar a %u201Cferrovia atlântica%u201D sonora que liga Minas aos britânicos (foto: Erismar Nepomuceno/Divulgação )
Dando continuidade ao vinil Atlantic railroad, lançado no ano passado pelo selo norte-americano Fleeting, a banda Churrus chega às plataformas digitais com Besides. Com 10 faixas autorais, letras cantadas em inglês e fiel ao mais tradicional indie rock, o álbum mostra um pouco das conexões inglesas com São João del-Rei, cidade natal de dois integrantes do grupo.

A banda foi criada em 2004, na Inglaterra, onde o guitarrista, compositor e vocalista são-joanense Túlio Panzera fazia doutorado em engenharia aeroespacial. Atualmente, o grupo reúne Daniel Mascarenhas (bateria), Igor Monteiro (baixo), Luís Couto (guitarra, teclados e voz) e Mateus Lopes (guitarra e voz).

Mão dupla 
De acordo com Panzera, o trabalho procura resgatar a relação histórica entre São João del-Rei e a terra dos Beatles, observada desde o Brasil colônia. “É uma via de mão dupla. Os britânicos levaram o ouro de Minas Gerais, mas trouxeram conhecimentos e participaram ativamente da cultura e da história local”, diz o guitarrista e compositor. “Eles tiveram participação fundamental nas estruturas ferroviárias e arquitetônicas, aspectos tão apreciados do nosso patrimônio histórico. São contribuições sólidas, que podem ser contempladas em edificações como igrejas e colégios em várias cidades”, ressalta.

O compositor explica que as letras traduzem reflexões a respeito de suas idas e vindas à Inglaterra, por meio de imaginária “ferrovia atlântica” conectando São João del-Rei e Bristol, onde ele morou e estudou. “A constituição de minha família e o crescimento de meus filhos passam por essa ponte suspensa”, acredita.

As canções do novo álbum haviam ficado de fora do disco anterior. “Elas dialogavam em parte com a proposta de Atlantic railroad. Mas agora têm sua justa compilação lançada em Besides, com distribuição dos selos Fle-    eting, Midsummer Madness e Rapadura Records. O próprio título brinca com a ideia de material extra, vamos dizer, o lado B do disco anterior”, diz Panzera.

Em Atlantic railroad, o grupo entrega não apenas um conjunto de canções, mas um contexto em parte autobiográfico, observa o guitarrista. “Tudo começou em 2004, quando fui fazer o curso de doutorado na Inglaterra e acabei deixando a banda Multisofá, de BH, da qual era integrante.” Na época, ele chegou a gravar o disco solo Piano.

“Levei esse CD comigo, com a intenção de mostrá-lo aos ingleses. Chegando lá, coloquei anúncio em uma loja de instrumentos que dizia: ‘Procuro músico para tocar canções autorais no estilo indie rock para formarmos uma banda’. Apareceu um inglês, cujo gosto musical era exatamente o meu. Convidamos mais dois músicos e formamos um grupo. Ensaiávamos no estúdio da universidade de Bath, cidade onde estudávamos. Foi assim nasceu a banda Churrus”, relembra.

O grupo ensaiou por algum tempo na Inglaterra, mas o mineiro teve de voltar para o Brasil. “Acabamos não fazendo nenhum show por lá. Chegando aqui, em 2006, me juntei a Mateus Lopes, instrumentista, compositor, conterrâneo e amigo de infância, e iniciamos a versão brasileira da banda”, explica.

Em 2007, a Churrus lançou The greatest day, seu primeiro álbum, que foi remasterizado e voltou às plataformas este ano. “Esse disco caiu na mão do Rodrigo Lariú, dono do Midsummer Madness, o selo indie mais famoso do Brasil, que decidiu relançá-lo”, diz Panzera.

FLEETING 
A Churrus fez mais três CDs pelo Midsummer, mas também chamou a atenção de outro selo. “Quando tocávamos no bar A Obra, em BH, conhecemos o DJ Bruno Orsini, um cara top que sabe tudo sobre indie rock. Ele se mudou para os Estados Unidos em 2001, para trabalhar no Google, e há cerca de três anos montou o Fleeting, cujo objetivo é lançar coisas diferentes do mundo inteiro”, conta Panzera.

Não demorou para a Churrus também trabalhar com Orsini. Agora, a banda vai se dedicar exclusivamente ao lançamento de Besides e, claro, fazer shows assim que a pandemia permitir.


BESIDES
.Banda Churrus
.10 faixas
.Midsummer Madness
.Disponível nas plataformas digitais









receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade