Publicidade

Estado de Minas

Obra de Domingos Oliveira chega à TV do princípio ao fim

Minissérie adaptada de seu primeiro longa estreia nesta quinta (23) na GloboPlay, e o último filme que ele realizou chega ao Curta! no próximo dia 29


postado em 23/04/2020 04:00

A atriz Priscilla Rozembaum, que foi casada com o dramaturgo e diretor por 38 anos, protagoniza seu último longa, Aconteceu na quarta-feira, que estreia na TV na próxima quarta-feira (foto: Desirée do Vale/ Divulgação)
A atriz Priscilla Rozembaum, que foi casada com o dramaturgo e diretor por 38 anos, protagoniza seu último longa, Aconteceu na quarta-feira, que estreia na TV na próxima quarta-feira (foto: Desirée do Vale/ Divulgação)

O cineasta, dramaturgo e ator Domingos Oliveira (1936-2019) tinha uma escala de valores. Em primeiro lugar, vinham os amigos; em segundo, o amor, e, logo depois, o trabalho. “Era um homem apaixonado pela vida. (Ser apaixonado) Pelas mulheres, era só um jeito de se apaixonar”, comenta a atriz Priscilla Rozenbaum, de 60 anos, que foi sua companheira durante 38 deles.

Domingos trabalhou até as vésperas de sua morte, aos 82, em 23 de março do ano passado. Deixou um baú de escritos inéditos, “um poço sem fundo”, nas palavras de Priscilla, que inclui peça, livros de poesia e de contos, diário, roteiros de filmes e séries. Ela comenta que ainda não conseguiu organizar esse material. Mas uma parte da obra do dramaturgo está chegando à TV.

Nesta quinta-feira (23), a plataforma de streaming Globoplay lança a série Todas as mulheres do mundo, escrita por Jorge Furtado e Janaína Fischer, com direção artística de Patrícia Pedrosa.

Leila Diniz A produção é inspirada no primeiro longa-metragem de Domingos. Lançado em 1967, o filme homônimo é considerado uma das comédias românticas inaugurais do cinema brasileiro. A história acompanha o caso de amor do mulherengo Paulo (Paulo José) e da professora Maria Alice (Leila Diniz) – na época, Domingos estava casado com Leila.

Já no próximo dia 29, o canal Curta! lança o último longa-metragem do diretor. Aconteceu na quarta-feira (2018) participou de alguns festivais, ainda com a presença de Domingos. Seu lançamento comercial, no final de 2019, foi muito restrito – apenas no circuito carioca. “Agora, será uma estreia de verdade”, diz Priscilla.

O ponto de partida de Todas as mulheres do mundo, a série, foram sete roteiros de Domingos, transformados por Furtado em 12 episódios. O dramaturgo conversou várias vezes com Furtado durante a confecção da obra – quando ela começou a ser rodada, ele já havia morrido.

Na nova história, Paulo (Emilio Dantas), um homem apaixonado pela vida, tal qual Domingos era, encanta-se por Maria Alice (Sophie Charlotte). Mesmo que a recíproca seja verdadeira, o romance não vai pra frente. A bailarina se muda para a Alemanha, e Paulo acaba se relacionando com outras mulheres. Cada episódio vai apresentar diferentes histórias de amor do protagonista.

“Domingos dizia que era famoso apenas no Leblon (onde morava), o que é mentira”, comenta Priscilla. “Mas, agora (com a série), finalmente ele está sendo lançado para o mundo”, diz ela, prevendo a dimensão que uma produção global terá.

“Acho muito legal isso, pois o universo dele era da poesia e da arte. Ele dizia que só a arte salva, que a dramaturgia tem que melhorar o mundo. Acho que Domingos para todos vai ser muito útil.”

Além da dupla de protagonistas, a série traz as atrizes Samya Pascotto, Marina Provenzzano, Verônica Debom, Maria Ribeiro, Sara Antunes, Mariana Sena, Maeve Jinkings, Natasha Jascalevich e Naruna Costa vivendo as mulheres com quem o protagonista vai se relacionar.

Matheus Nachtergaele e Martha Nowill interpretam os melhores amigos de Paulo – Cabral e Laura, respectivamente. A produção também terá participações de Lilia Cabral, Fernanda Torres, Fábio Assunção e Felipe Camargo.

A própria Priscilla fará uma pequena participação no quarto episódio, como Glorinha, o grande amor da vida de Cabral. Além da companheira, outras mulheres importantes para o dramaturgo e cineasta fizeram parte da produção.

Sua filha Maria Mariana interpreta a filha de Evaristo (Floriano Peixoto), padrasto do protagonista. E Maria Ribeiro, que dirigiu o documentário Domingos (2009) e levou o projeto da série para a Globo, vive Renata, uma arquiteta que tem um relacionamento com Paulo.

Sophie Charlotte interpreta a bailarina por quem o protagonista Paulo (Emílio Dantas) se apaixona, em Todas as mulheres do mundo (foto: TV Globo/Divulgação )
Sophie Charlotte interpreta a bailarina por quem o protagonista Paulo (Emílio Dantas) se apaixona, em Todas as mulheres do mundo (foto: TV Globo/Divulgação )


Comédia Não eram poucos os que chamavam Domingos Oliveira de o Woody Allen brasileiro. Além de escrever e dirigir, também atuava em boa parte de suas produções, fossem para a TV ou o cinema. E, invariavelmente, suas histórias, com ironia e erudição, tinham como temas centrais o amor e a amizade, os dois valores mais caros a ele. De uma maneira geral, os filmes transitavam entre a comédia e o drama.

Aconteceu na quarta-feira, seu último longa, foi realizado nos mesmos moldes de Amores (1997), Separações (2002) e Feminices (2005). Todos eles nasceram primeiramente nos palcos e depois foram levados, com o mesmo elenco, para o cinema.

O lançamento de Aconteceu na quarta-feira no teatro se deu em meados dos anos 1990, com Tarcísio Meira e Glória Menezes nos papéis que posteriormente foram de Ricardo Kosovski e Priscilla Rozenbaum.

“Domingos falava que um bom texto você conseguia resumir em quatro linhas. Se não conseguisse, era porque o roteiro não era bom. Claro que “Aconteceu na quarta-feira” tem muitas leituras a mais, mas a história é basicamente a de um casal que se ama tanto e se odeia tanto que não consegue se separar”, resume Priscilla.

Em 2016, Aconteceu na quarta-feira foi remontada no palco, com Priscilla, Ricardo e André Mattos. Ela é Júlia, uma talentosa e bem-sucedida atriz de teatro casada com Júlio (Ricardo Kosovski), também ator.

Ao contrário da mulher, ele é medíocre e mais conhecido por papéis na televisão. Com uma relação de dependência perversa, o casal tem como interlocutor o psicanalista Marco (André Mattos), que oscila entre a razão e a paixão. Um duplo de Júlio entra em cena, confundindo ainda mais a relação.

“Tudo vinha do teatro, ele dizia. Como não conseguia fazer rápido no cinema, ele fazia primeiro no teatro”, afirma a atriz. O último longa de Domingos é uma fábula, contada com o acompanhamento de Mozart e Wagner. Foi rodado em duas partes, separadas por um intervalo de quase um ano. “Ele tirou o dinheiro do bolso e rodou toda a parte do psicanalista”, conta a atriz. A parte em que a ação se dá no teatro foi filmada depois.

Priscilla, que esteve no elenco de diversos longas de Domingos, diz que, como diretor, ele dava toda a liberdade aos atores. “Ele dava todo o conteúdo para você ficar livre. Nunca falava que estava ruim. A gente brincava que, quanto melhor ele te tratava, menos estava gostando do seu trabalho. Se vinha falando ‘meu anjo’, ‘meu amor’, era porque estava detestando o que um ator estava fazendo.”

ACONTECEU NA QUARTA-FEIRA
. Longa-metragem de Domingos Oliveira
. Estreia na próxima quarta (29), às 22h30, no canal Curta!

TODAS AS MULHERES DO MUNDO
. A série, com 12 episódios, estreia nesta quinta (23), na Globoplay. Na Globo, o primeiro episódio será exibido também hoje, após o Big brother Brasil


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade