Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas MODA

Mostra no Museu da Moda destaca trajetória de estilista mineiro

Também ilustrador e precursor no jornalismo de moda no Brasil, Alceu Penna se mudou para o Rio com 17 anos e teve parte de seu acervo doado para o Museu da Moda de BH


postado em 11/12/2019 04:00 / atualizado em 10/12/2019 19:00

Mineiro de Curvelo, Alceu Penna se radicou no Rio de Janeiro aos 17 anos com a intenção de estudar arquitetura(foto: Arquivo EM)
Mineiro de Curvelo, Alceu Penna se radicou no Rio de Janeiro aos 17 anos com a intenção de estudar arquitetura (foto: Arquivo EM)

Considerado o precursor do jornalismo de moda no país, o mineiro Alceu Penna (1932-1980) tem parte de sua obra exposta no Museu da Moda a partir desta quarta-feira (11). Alceu Penna – Inventando a moda do Brasil ficará aberta até 7 de junho. Penna nasceu em Curvelo, mas se radicou no Rio de Janeiro, a partir dos 17 anos, com o objetivo de estudar arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes e frequentando também vários cursos de belas-artes.

No Rio, Penna transitou pelas áreas do design gráfico, jornalismo, ilustração, figurino, estilismo, publicidade e cenografia, entre outras atuações. Ficou conhecido quando criou e assinou a seção As garotas, que era publicada semanalmente na revista O Cruzeiro, entre 1938 e 1964. A curadoria da exposição é assinada pela arquiteta e urbanista Luiza Penna de Andrade, sobrinha do artista e atuante na preservação e divulgação de sua obra. Parte dos figurinos e acessórios expostos foi doada pela família ao Museu da Moda.

Luiza lembra que, na véspera do centenário de nascimento de Penna, o artista foi homenageado com a mostra  Alceu Penna é 100, no próprio Museu da Moda, em 2015. Foram criadas também redes sociais, que ela administra e foi a forma de “fazê-lo chegar a milhares de novos admiradores”, diz.

Ao longo da carreira, Penna ilustrou capas de revistas, quadrinhos, livros, capas de discos infantis, como os da série Disquinho, dirigida por Braguinha, além de embalagens e publicidade. Também criou cenários e figurinos para shows, cassinos, teatro, cinema e televisão e desenhou fantasias e coleções de moda.

Luiza conta que a ideia da exposição surgiu a partir da iniciativa de Ronaldo Fraga de homenagear Alceu Pena no Minas Trend. “Forneci umas imagens para ele, porque ele queria trazer a obra de Alceu para Minas.” Fraga pediu aos alunos do Senai Modatec que reproduzissem croquis e desenhos, alguns publicados, outros originais que Luiza forneceu para ele, de diversas fases da carreira do estilista. “Eles reproduziram não fielmente, mas o mais próximo possível, usando tecnologia e materiais novos e dando o olhar deles também naqueles modelos. Ficou muito interessante, foram 15 modelos construídos em 15 dias, durante o Minas Trend”, diz ela.

ACERVO
Depois do convite de Carolina Ladeira, diretora do Museu da Moda, Luiza Penna decidiu montar a exposição com a meta de mostrar que Alceu é tão atual que pode ser replicado hoje. “Ele continua mantendo a sua importância nos cursos de moda”, afirma. O museu já tem em seu acervo parte da obra de Penna, doada em 2015, após a exposição comemorativa do centenário do artista. “É uma coleção de roupas, com desenhos de Alceu feitos para as irmãs dele”, conta a sobrinha.

Essa parte do acervo está reunida no segundo andar do museu, juntamente com desenhos, esboços e móveis que ele usava e publicações nas revistas. O primeiro piso apresenta figurinos criados por Alceu para o teatro, shows da época dos cassinos e uma outra coleção mais diversificada, que abrange dos anos 1940 aos anos 1970.

Luiza diz que a moda no Brasil começou mesmo com Penna. “Ele viajava para a Europa e os EUA e trazia as novidades. Depois, começou a criar e desenhar a moda realmente. Ele tinha convivência com grandes costureiros franceses, bastante vivência, era muito inteligente, poliglota, tinha facilidade para circular em qualquer lugar do mundo. Depois que começou a criar, não parou mais, trabalhando na Rhodia, criando as coleções feitas por aquela empresa, na época daqueles famosos desfiles.”

EXPOSIÇÃO ALCEU PENNA – INVENTANDO A MODA BRASILEIRA
Abertura nesta quarta-feira (11), às 9h, no Museu da Moda de Belo Horizonte – Rua da Bahia, 1.149, Centro. De terça a sexta, das 9h às 21h; sábados e domingos, das 10h às 14h. Até 7 de junho. Entrada franca.


Publicidade