Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Na segunda temporada, 'Insaciável' continua intragável

Série supostamente de humor sobre garota com distúrbios alimentares repete a fórmula da estreia e outra vez se mostra uma boa ideia desperdiçada


postado em 18/10/2019 04:00 / atualizado em 17/10/2019 19:10

Segunda temporada de 'Insaciável' acrescentou à trama cenas com um pé no absurdo(foto: Netflix/Divulgação)
Segunda temporada de 'Insaciável' acrescentou à trama cenas com um pé no absurdo (foto: Netflix/Divulgação)

Loira, magra, campeã de concursos de miss e assassina compulsiva são algumas das características de Patty Bladell. A adolescente, interpretada por Debby Ryan, mistura estereótipos clássicos das princesinhas de filmes adolescentes com características não menos estereotipadas da vilã louca, capaz de ir a extremos para conseguir o que quer.
 
 
Em sua segunda temporada, a série Insaciável (Netflix) repete a receita da estreia – com humor, em grande parte das vezes forçado, aborda temas delicados e polêmicos. A diferença em relação à primeira temporada, lançada no ano passado, é que agora Debby e seu preparador, Bob Armstrong, enfrentam situações ainda mais absurdas, como porcos comedores de carne humana que surgem misteriosamente no meio da estrada.
 
Os problemas alimentares da protagonista são debatidos de forma mais livre. Finalmente, ela é capaz de conversar com alguém sobre seus hábitos. As tentativas de fazer humor e discutir bulimia, homossexualidade, violência e comportamento no trânsito são bem-intencionadas, mas sua concretização deixa a desejar.
 
No fim das contas, Insaciável continua com a cara de uma ótima ideia para uma série de humor ácido com péssima execução. Apenas em alguns pequenos e raros momentos o roteiro é bem construído, levando o espectador a rir do que em geral é considerado impróprio para o humor. Prova do grande – e mal aproveitado – potencial de Insaciável.
 


Publicidade