Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Roteirista Carlos Alberto Ratton morre aos 76 em BH


postado em 03/07/2019 04:10

Carlos Alberto Ratton em seu apartamento no Sion, em Belo Horizonte, em 2003(foto: BETO NOVAES/EM/D.A PRESS)
Carlos Alberto Ratton em seu apartamento no Sion, em Belo Horizonte, em 2003 (foto: BETO NOVAES/EM/D.A PRESS)

“O momento mais difícil do trabalho é a primeira linha, quando a gente tem diante de si a folha em branco e é obrigada a colocar ali algo que tenha emoção, drama e um pouco de humor”, afirmou o escritor e dramaturgo Carlos Alberto Ratton, em entrevista ao Estado de Minas, em 2003.

 

 


E foram várias primeiras linhas que ele preencheu, ora com emoção, ora com humor, ao longo de 76 anos de vida. Morto na noite da última segunda-feira (1º), Ratton, que havia descoberto há pouco um câncer no pulmão em estágio avançado, foi enterrado na tarde de ontem, no Cemitério do Bonfim. Nascido em Divinópolis, em 30 de janeiro de 1947, ele escreveu para cinema, teatro e televisão. Tinha 20 anos quando estreou, fazendo assistência de direção em Oh! Oh! Oh! Minas Gerais, espetáculo do Teatro Experimental escrito e dirigido por Jonas Bloch e Jota Dângelo.

 

Como autor, sua estreia se deu em 1969, quando dividiu com Dângelo a autoria de Futebol, alegria do povo. Mas seu principal texto veio mais tarde. Em 1972, estreou no Rio de Janeiro Dorotéia vai à guerra, texto que deu a Ratton o prêmio Molière. A montagem original tinha Paulo José na direção e Ítalo Rossi e Dina Sfat como protagonistas. O texto, remontado várias vezes, discutia as relações de poder dentro de uma família. Na televisão, Ratton fez roteiros para novelas, minisséries e especiais. Seu trabalho ficou conhecido do grande público com Mandacaru (1997), uma das mais longas novelas da extinta TV Manchete (teve 259 capítulos). A trama tinha como pano de fundo a época dos cangaceiros, só que era ambientada após a morte do casal Lampião e Maria Bonita. 

 

O cenário era a fictícia cidade de Jatobá. Walter Avancini foi o diretor de Mandacaru. Quando o diretor começou a trabalhar em Portugal, Ratton continuou contribuindo com ele. Assinou o texto da novela Barqueira do povo e da minissérie A viúva do enforcado, ambos dirigidos por Avancini para a TV portuguesa. Escreveu ainda episódios de Você decide (Globo) e Brava gente (SBT). Já no cinema, seu roteiro mais conhecido é a adaptação que fez para Alves & Cia., obra de Eça de Queiroz. Em Amor & Cia (1999), longa-metragem dirigido por seu irmão, o cineasta Helvécio Ratton, o drama de época foi protagonizado por Marco Nanini e Patrícia Pillar.


Publicidade