Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

A vida de Frankie

Concorrente à Palma de Ouro estrelado por Isabelle Huppert e cujo roteiro é assinado pelo brasileiro Maurício Zacharias e pelo diretor americano Ira Sachs retrata uma mulher doente que prepara sua despedida


postado em 22/05/2019 04:08

O roteirista brasileiro Mauricio Zacharias, o ator britânico Ariyon Bakare, o ator francês Pascal Greggory, Isabelle Huppert, o diretor norte-americano Ira Sachs e o ator belga Jérémie Renier posam para foto em Cannes (foto: Alberto PIZZOLI/AFP)
O roteirista brasileiro Mauricio Zacharias, o ator britânico Ariyon Bakare, o ator francês Pascal Greggory, Isabelle Huppert, o diretor norte-americano Ira Sachs e o ator belga Jérémie Renier posam para foto em Cannes (foto: Alberto PIZZOLI/AFP)


Três gerações de uma família se encontram bem longe de casa. Em Sintra, na Portugal de hoje, mas com seu clima de outrora, Frankie convoca os que lhe são próximos. Ela está morrendo. Quer colocar um ponto final em histórias pendentes. Ao longo de um dia, 10 personagens vão participar desse acerto de contas. A morte, ainda que onipresente, é quase um detalhe.

Um dos 21 concorrentes à Palma de Ouro em Cannes, Frankie, filme do norte-americano Ira Sachs (Deixe a luz acesa, O amor é estranho), foi recebido com relativo entusiasmo em sua première no evento francês. Coescrito por Sachs com seu parceiro habitual, o brasileiro Maurício Zacharias, Frankie tem Isabelle Huppert como a personagem-título. No elenco, também estão Marisa Tomei, Brendan Gleeson e Greg Kinnear.

Na coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira (21), Sachs afirmou que o filme foi feito para Isabelle. “Mas eu nunca faria um filme com ela na França. Achei importante encontrar uma locação que fosse separada de toda a história dela”, disse. Grande atriz do cinema francês, Huppert é presença constante na Croisette. Vinte e seis de seus filmes foram exibidos no festival – e por dois deles ela venceu o prêmio de melhor atriz (A professora de piano, em 2001 e Violette, em 1978).

“É um filme sobre doença, sobre alguém cuja vida está terminando, mas o tratamento é muito distante disto. Frankie não é melodramático. A câmera de Ira captou pequenos momentos e os fez grandes. E este, para mim, é o poder do cinema”, afirmou a atriz aos jornalistas em Cannes. Algumas críticas ao filme observaram que Frankie traz Huppert na pele de uma mulher vulnerável como nunca antes em sua carreira.

Sachs se mudou com a família para Lisboa, onde permaneceu durante cinco meses para a realização do longa. “Estive em Sintra aos 14 anos, em uma viagem de família. Ali, fiz um diário. Sintra é muito receptiva e acabou se tornando um lugar próximo”, disse o diretor, que trabalhou com um bom número de profissionais portugueses. O diretor de fotografia foi Rui Poças, que esteve em longas brasileiros recentes,  como Ferrugem (2018), de Aly Muritiba, As boas maneiras, de Juliana Rojas e Marco Dutra, e Deserto (ambos de 2017), de Guilherme Weber.

EMOÇÕES

“O Rui me falou que esse foi o filme mais difícil que ele já fez. Buscamos filmar sem cortar, para enfatizar as emoções, num estilo mais teatral. A ideia é que o público olhe ator e personagem, vendo o relacionamento entre ambos”, disse Sachs.

Para parte da crítica, Frankie tem a tessitura de um filme do francês Éric Rohmer (1920-2010), ainda que lhe falte algo. “É um filme feito com artesanato perfeito. No entanto, apesar de toda a sua elegância naturalista e precisão mais leve que o ar, é um filme americano de Rohmer, que, infelizmente, não parece estar perto de ser um grande filme de Rohmer”, avaliou a Variety.

O Hollywood Reporter destacou que “a principal força do roteiro de Sachs e de Mauricio Zacharias é a decisão de abster-se de grandes discursos e deixar que as intenções de Frankie, bem como seu estado de espírito, sejam, em sua maioria, concluídas com poucos comentários.”

Já o The Guardian não poupou a produção. “Trata-se de uma produção multinacional inexpressiva, sem sentido, de ação variável, situada na pitoresca cidade portuguesa de Sintra – que é bastante bonita, mas sem um toque especial. Frankie parece nada mais do que um daqueles filmes de Woody Allen em um ambiente turístico de luxo, apenas com ainda menos possibilidade – na verdade, nenhuma – de qualquer risada. E também não há possibilidade de nada muito sério.”


Documentário brasileiro
em seção temática LGBT

Seios expostos, bandeira LGBT em uma das mãos e um megafone na outra, a ativista transexual Indianara protagoniza, em Cannes, um documentário sobre sua luta pela causa no Brasil.

Apresentado na seção de cinema independente ACID, Indianara acompanha a trajetória da carismática ativista carioca em sua militância e também em sua vida pessoal, ao lado do marido.

Os diretores do filme, a francesa Aude Chevalier-Beaumel e o brasileiro Marcelo Barbosa, descobriram-na em uma manifestação, quando ela citou os quase 200 transsexuais mortos em um ano. Aquela imagem os impactou.

Os cineastas admitem que, no início, Indianara, de 48 anos, não estava convencida a participar do projeto, mas eles o viam como uma “emergência”. “Ela estava cansada, física e mentalmente. Ela já não se via na luta por muito mais tempo”, afirmou Barbosa. A perseverança dos cineastas finalmente fez a ativista aceitar, especialmente porque ela sabia que sua vida poderia se tornar um “exemplo para as próximas gerações”.

As filmagens foram feitas ao longo de dois anos, entre as manifestações contra o ex-presidente Michel Temer, em 2016, e as eleições presidenciais de 2018, que levaram Jair Bolsonaro ao poder. Durante esse período, filmaram os violentos protestos contra Temer, reuniões de militantes e, sobretudo, a Casa Nem, uma residência ocupada no bairro da Lapa, no Rio de Janeiro, que acolhia principalmente membros LGTB em situação de vulnerabilidade e da qual Indianara foi uma das criadoras.

A luta de Indianara para defender as minorias é refletida em seu corpo. Um “museu-corpo”, diz Chevalier-Beaumel. “Um corpo que carrega todas as lutas, que carrega também sofrimento, cicatrizes...”, acrescenta a diretora. “Tem muito essa consciência do registro de sua luta e querer deixar coisas para outras gerações”, explica. Por isso, finalmente concordou em ser gravada.

AMEAÇA

Em 14 de março de 2018, tudo mudou. A vereadora negra Marielle Franco, que lutava pelos direitos dos negros, das mulheres e da comunidade LGBT, foi morta a tiros no Centro do Rio de Janeiro. Foi um duro golpe para o país e também para Indianara. “Ela também se sentiu ameaçada, pensando que seria a próxima”, diz Chevalier-Beaumel.

A ativista instalou em sua casa um sistema de câmeras de segurança. “Mas ela não deixa de andar na rua, não deixa de ir às manifestações, não deixa de sair à noite”, esclarece a diretora. “Não quer que isso mude sua rotina”.

O documentário também mostra o cotidiano da militante transexual com seu parceiro, Maurício, um ex-militar conservador e muito católico. Apesar das diferenças abismais que os separam, eles se amam, dizem os cineastas. Esta relação particular pode representar uma “mensagem de esperança”, de que existe um “diálogo possível” em uma sociedade totalmente dividida após o triunfo de Bolsonaro.

O filme concorre à Queer Palm, que premia o melhor filme com tema LGBT. Indianara planejava estar em Cannes para a apresentação do documentário, mas uma condenação pela justiça francesa em 2008 a impediu de viajar para a Croisette. Na França, ela foi condenada por proxenetismo e passou vários anos na prisão.

Para os diretores, a ativista virou a página desses fatos, que, segundo eles, também aconteceram numa tentativa de proteger pessoas com problemas.



Hollywood seduz Cannes

Brad Pitt,  Leonardo DiCaprio, Quentin Tarantino e Margot Robbie protagonizaram o grande acontecimento de ontem em Cannes, na estreia de Era uma vez em Hollywood, que disputa a Palma de Ouro. Com 2h45 minutos, filmado em 35mm, o longa é ambientado em Los Angeles em 1969 e conta a história de Rick Dalton (Leonardo DiCaprio), astro de westerns da TV, de seu dublê nas cenas de ação Cliff Booth (Brad Pitt), e de sua vizinha, a atriz Sharon Tate.

Tarantino lançou ontem o trailer do filme, mas pediu à plateia de Cannes que não divulgue spoilers. “Eu amo o cinema. Você ama o cinema. É a jornada de descobrir uma história pela primeira vez. O elenco e a equipe trabalharam duro para criar algo original e peço apenas que todos evitem revelar qualquer coisa que impediria futuros espectadores de viver a mesma experiência com o filme.”

A primeira reação da maioria dos críticos logo após a sessão foi um grande aplauso ao longa, comparado por muitos a Pulp fiction. “Brilhante”, disse Peter Bradshaw, do diário britânico The Guardian.



Publicidade