Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Tempo de malha


postado em 18/04/2019 05:06



Durante 10 dias – de 2 a 11 de maio –, das 9h às 20h, a Feira de Malhas de Tricô do Sul de Minas será realizada no estacionamento superior do Mercado Central. Há 23 anos a realização está nas mãos da empresa jacutinguense Dynâmica Eventos, reunindo produtores das cidades de Jacutinga e Monte Sião. Além de oferecer artigos de qualidade, a produção de agasalhos é orientada por consultores e estilistas atentos às tendências do que estará na moda durante a estação.

Nos estandes, estarão expostas e à venda as tendências da moda para o outono-inverno 2019, predominando agasalhos de malha de tricô, calças, vestidos, coletes, cachecóis, casacos e sobrepostos. Além de produtos das cidades mineiras, estarão à venda artigos do interior de São Paulo e, em menor escala, da capital mineira. Predominarão peças em malhas de tricô em linha e lã para os mais diversos estilos e gostos. Também serão vendidas peças em malhas de algodão, modal, casacos de couro, moda íntima, cama/mesa, doces e acessórios.

Há várias razões para a Feira de Malhas de Tricô do Sul de Minas fazer tanto sucesso em BH: bons preços, grande variedade de modelos, qualidade das peças, compra direta do produtor e facilidade do crédito informal. Uma curiosidade: a grande maioria do público – cerca de 80% – é composta por mulheres.

O vestuário de malhas de tricô é a principal atividade de cidades do Sul de Minas Gerais, entre elas Jacutinga e Monte Sião. Microempresários trabalham em família e revendem a maioria da produção para lojistas, turistas e sacoleiras de várias regiões do país. A feira tem papel importante na economia sul-mineira, pois movimenta a cadeia produtiva da moda no estado, além de impulsionar negócios e oportunidades naquela área.

Esta é a 57ª edição, e os organizadores querem mostrar um pouco mais sobre o processo criativo e de produção. Tricô não se resume a tecer, costurar e vender. São muitas as etapas na confecção das peças até elas chegarem às vitrines.

A tecnologia das máquinas e a matéria-prima permitem tecer malha de tricô cada vez mais exclusiva e desejada. Essa tecnologia de ponta trouxe para as fábricas de Jacutinga e Monte Sião a possibilidade de produzir peças mais leves, diversificadas, cheias de detalhes e/ou rendadas. No inverno 2019, além da matéria-prima mais elaborada com fios diferenciados, as peças estão confortáveis – da textura às modelagens.

Porém, é importante ressaltar: apesar do avanço da tecnologia, a mão humana é indispensável nesse processo. Da fabricação da matéria-prima ao artigo na prateleira, essas mãos, temos certeza, nunca serão substituídas por máquinas. A peça passa por pelo menos 10 pessoas para sua finalização, pois, antes de entrar em produção, houve a criação. Antes de chegar à fábrica, foram realizadas pesquisas e o desenvolvimento do artigo. Estilistas e programadores alinharam modelagem, cor, padronagem (estampa) e o tipo de fio que será usado.

A coleções que chegam a BH em maio usam cores vibrantes e muitos elementos de origem animal, apostando na volta aos anos 1980. Oncinha, zebra e cobra dividem as vitrines com animais print nas cores clássicas e/ou combinadas com as vibrantes, que dão pegada mais moderninha no look. Há xadrez e listras, juntas ou separadas – quando juntas, formam a dupla mais versátil do inverno 2019.


Publicidade