Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Bianca Gismonti Trio faz volta ao mundo em terceiro álbum

'Desvelando mares' foi gravado na Hungria e incorpora influências musicais de diversas regiões do planeta, além de contar com oito músicos convidados


postado em 19/03/2019 05:06

"Esse disco é um processo de navegar para fora e reconhecer que essa navegação veio para o Brasil trazendo influências e saiu daqui levando outras" ( Bianca Gismonti,pianista) (foto: Daryan Dornelles/Divulgação)

Com um sobrenome que é sinônimo de criatividade musical, Bianca Gismonti procura seguir por caminhos alternativos em sua carreira. Em Desvelando mares, seu mais novo álbum, lançado com o trio formado ao lado de Antonio Porto (baixo) e Julio Falavigna (bateria e tabla), a pianista e compositora navega por ritmos de outras partes do globo. Já lançado no exterior, pela Hunnia Records, o disco chega agora ao mercado nacional.

Definido por ela como “uma reunião de composições que fui fazendo ao longo de dois anos, muito inspirada por compositores de fora do Brasil”, o trabalho foi produzido e gravado em Budapeste, na Hungria, entre 2016 e 2018. Nas nove faixas, quase todas instrumentais e algumas com mais de oito minutos de duração, a viagem musical é feita com o auxílio de instrumentos típicos e uma mistura de sonoridades regionais, orientada pela ideia das navegações, como o título sugere.

Sem perder a característica da experimentação, presente também em seus trabalhos anteriores, o piano de Bianca tem a companhia da percussão, como em Feitiço, do acordeom, em Salteo, e da forte presença da tabla indiana em Aonde planam os pássaros, cujo nome remete à ideia de velejar entre um continente e outro, assim como Ventos do Sul. A artista explica que o conceito geográfico no disco é uma forma de entender a própria música brasileira.

MISCIGENAÇÃO “Sempre tive uma ligação muito forte com a cultura brasileira, mas também fui muito instigada a seguir conhecendo outras composições de outros lugares, que ouvia desde pequena. Elas foram me influenciando bastante e, mais que isso, fui reconhecendo grande parte dessas influências nessa miscigenação brasileira. Esse disco é um processo de navegar para fora e reconhecer que essa navegação veio para o Brasil trazendo influências e saiu daqui levando outras”, afirma.

A viagem do Bianca Gismonti Trio em Desvelando mares passa pelas rotas marítimas que marcaram a história do Brasil. “A música africana não teria como ficar de fora, pela percussão. A Índia me influenciou, então trouxe a tabla. A instrumentação do trio e as pessoas que chamei tinham muito a ver com a origem de cada influência”, diz a pianista, que teve a companhia de outros oito artistas, além dos dois integrantes do trio.

Desvelando mares é o terceiro disco autoral de Bianca na formação com Antonio Porto e Julio Falavigna. Eles já haviam lançado Sonhos de nascimento (2013) e Primeiro céu (2015). Foi justamente durante a turnê de divulgação deste último pela Europa que se iniciou o processo de gravação do novo álbum. Ainda que ela vá iniciar em breve uma sequência de shows pelo Brasil, a inquietante veia musical da artista já pulsa por mais novidades. O próximo álbum já está pronto, embora ainda sem data de lançamento. Gismonti 70 reunirá o repertório do pai, Egberto, em homenagem aos seus 70 anos, completados em 2017.

Desvelando mares
• Hunnia Records
• 9 faixas
• Disponível no Spotify, Deezer e iTunes


Publicidade