Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

BNegão promete rap, samba, dance hall e afrobeat em show na Serraria

Nesta segunda-feira gorda (4), o carioca se apresenta com sua banda Seletores de Frequência e integrantes do bloco Chama o Síndico na festa Sinestésica de carnaval


postado em 04/03/2019 05:08

BNegão diz que Dorival Caymmi mudou a vida dele(foto: Brizza Cavalcante/Divulgação)
BNegão diz que Dorival Caymmi mudou a vida dele (foto: Brizza Cavalcante/Divulgação)

Bernardo Santos, o BNegão, não é folião de primeira hora. Quando era mais novo, seu carnaval começava na locadora. “Alugava filme e ficava em casa, tranquilo.” Mas a folia de Salvador mudou sua perspectiva. “A partir de 2006, 2007, passei a me apresentar com o Loucomotivos (antiga banda dele com Marcelo Falcão). Foram dois anos (com o grupo) em trio elétrico, uma superexperiência.”

Desde então, assim que chega o carnaval, BNegão deixa o Rio de Janeiro rumo a Salvador – nos últimos carnavais, ele vem se apresentando com o BaianaSystem. Foi de lá que o rapper carioca chegou, no sábado (2), a Belo Horizonte. Ontem, participou do desfile do Chama o Síndico. Hoje, com sua banda Seletores de Frequência, será a principal atração da festa Sinestésica de carnaval, na Serraria Souza Pinto.

No show, além de tocar músicas de seus três álbuns – Enxugando gelo (2003), Sintoniza lá (2012) e Transmutação (2015) –, BNegão vai dar uma carnavalizada. Depois da participação de domingo na folia de rua em BH, ele leva para o palco da Serraria integrantes do bloco Chama o Síndico. “O show mistura samba, dance hall, afrobeat. Vamos fazer, por exemplo, uma versão de Sorriso aberto, música imortalizada pela Jovelina Pérola Negra”, conta.

Depois do show em Belo Horizonte, ele volta para o Rio. “Na terça já estarei tranquilão”, comenta. Em termos, na verdade. Desde que 2019 começou, BNegão não parou. Sempre diverso, vem tocando, além dos Seletores, com BaianaSystem (sábado, tem show em São Paulo) e Planet Hemp. Além disso, mantém um projeto com o repertório de Dorival Caymmi (1914-2008).

CANÇÕES PRAIEIRAS É Caymmi a atual paixão de BNegão. No ano passado, fez seis apresentações, na capital paulista, do show Bernardo Santos canta as canções praieiras (e outras estórias do mar).

“Canções praieiras (LP de estreia de Caymmi, de 1954) teve uma influência brutal, mudou tudo pra mim. Eu nunca tinha tido um impacto tão grande com música. É um álbum tão profundo e imagético que me trouxe vários sentimentos juntos”, conta ele.

BNegão conheceu Canções praieiras quando era adolescente. “Foi um dos primeiros discos de música popular brasileira que ouvi por mim mesmo, pois na época era mais ligado em rap e punk rock.” Desde sempre, por assim dizer, queria fazer algo com Caymmi. Até que veio o show, no qual divide o palco com o violonista Bernardo Bosisio.

“É a coisa mais difícil que já fiz. Meu registro vocal bate em 80% com o do Caymmi. Então, consigo chegar nas notas dele. Mas tenho que usar parte do corpo, já que a voz ressoa no corpo inteiro. É completamente diferente da maneira como canto normalmente. Além disso, esse show faz diferença pra mim, espiritualmente”, diz ele, que frequentou aulas de preparação vocal para aguentar “o tranco”. No projeto, BNegão recupera o repertório do álbum (oito canções), além de outras músicas de Dorival Caymmi.

BNegão vai, inclusive, gravar três versões de Morena do mar, Rainha do mar e Canção da partida. Uma delas estará na coletânea que Alice Caymmi está organizando com músicas do avô. “De Canção da partida, a gente só conhece uma parte (“Minha jangada vai sair pro mar/ Vou trabalhar/ Meu bem querer”). Pois achei uma gravação em que o Caymmi gravou a segunda parte”, conta ele, sobre a nova versão.

Também estão previstas para este ano gravações com o Seletores (álbum instrumental), Planet Hemp, BaianaSystem e, quem sabe, um álbum solo. “A ideia é essa, mas não posso garantir que vou fazer solo, pois sempre acabo trabalhando em conjunto”, conclui.

 

SINESTÉSICA DE CARNAVAL
Nesta segunda-feira (4), das 17h às 5h. Serraria Souza Pinto, Avenida Assis Chateaubriand, 809, Centro. Com BNegão e os Seletores de Frequência, Chama o Síndico, Orquestra Atípica de Lhamas, Swing Safado e Novos Baianos F.C. Ingressos: A partir de R$ 30 (pista/ 2º lote) e R$ 100 (pista premium com open bar). Informações e vendas: www.sympla.com.br


Publicidade