Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Eliane Parreiras quer revitalizar o Grande Teatro do Palácio das Artes

Ex-secretária de estado da Cultura volta a comandar a Fundação Clóvis Salgado. Ela pretende buscar parcerias com empresas públicas e privadas para enfrentar a falta de recursos


postado em 02/03/2019 05:10

Eliane Parreiras quer montar uma rede de apoio às ações da FCS(foto: Cristina Horta/EM/D.A Press)
Eliane Parreiras quer montar uma rede de apoio às ações da FCS (foto: Cristina Horta/EM/D.A Press)

 

Eliane Parreiras, que foi secretária de Estado de Cultura no governo Antonio Anastasia (PSDB), será a nova presidente da Fundação Clóvis Salgado (FCS). Embora ainda não tenha sido nomeada oficialmente, a informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da pasta, à qual a instituição está vinculada, e pela própria Eliane.

Atualmente, a mineira ocupa o cargo de gerente-geral de cultura do Sesc em Minas Gerais. “Aceitei a missão a convite do vice-governador (Paulo Brant) e do secretário (Marcelo Matte), muito tocada com todos os esforços para colocar a Fundação Clóvis Salgado no lugar de protagonismo cultural que ela merece, não só em Minas Gerais, mas no Brasil”, diz Eliane.

A maior prioridade, neste momento, será a revitalização dos equipamentos culturais da FCS, entre eles o Palácio das Artes. Em janeiro, o ator Paulo Gustavo criticou publicamente as condições do Grande Teatro, depois de apresentar o espetáculo Minha mãe é uma peça. Ele reclamou de falhas na iluminação e no ar-condicionado.

“Essa é a prioridade máxima, porque o impacto é muito grande. Para os nossos objetivos, é fundamental que a gente tenha condições adequadas. Entretanto, não assumi ainda, há um processo de transição, mas depois disso será apresentado um plano de ação”, prometeu Eliane, referindo-se aos equipamentos do Grande Teatro.

Entre suas primeiras metas estão a democratização do acesso aos espaços da FCS e a diversificação da programação, além do fortalecimento dos grupos artísticos – Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, Coral Lírico, Cia. de Dança e Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart). No caso desse último, haverá ênfase na pesquisa.

“A formação só se concretiza se houver oportunidade de pesquisa, apresentação e relação com o público. Queremos isso para os alunos do Cefart”, adianta.

Ao comentar a escassez de recursos financeiros enfrentada pelo governo do estado, a nova presidente da FCS destaca a possibilidade de parcerias e ajustes de gestão. “Na Fundação Clóvis Salgado, além do recurso orçamentário, existem termos de parceria para execução compartilhada. Além disso, há o patrocínio de empresas privadas e públicas de forte atuação cultural. Pretendemos qualificar ainda mais a gestão para que os recursos possam ser ainda melhor investidos”, afirma.

FOCO Eliane se diz otimista em relação à nova empreitada. “A Fundação Clóvis Salgado tem papel simbólico muito grande para a sociedade, para a comunidade. Com bons projetos, foco e prioridade, vamos trazer essa rede de apoio. Estou muito otimista em ter bons projetos e boa articulação para que isso possa viabilizar a participação da sociedade nesse processo”, afirma.

Formada em comunicação social pela PUC Minas, Eliane Parreiras é pós-graduada em gestão em marketing pela Fundação Getulio Vargas e em gestão cultural pelo Instituto de Educação Continuada (IEC) da PUC Minas. Em 2009 e 2010, ela presidiu a Fundação Clóvis Salgado, na gestão Antonio Anastasia.


Publicidade