Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

A eficaz química feminina de Killing Eve


postado em 22/02/2019 05:10

Jodie Comer e Sandra Oh contracenam na série de suspense exibida pela GloboPlay (foto: BBC/DIVULGAÇÃO)
Jodie Comer e Sandra Oh contracenam na série de suspense exibida pela GloboPlay (foto: BBC/DIVULGAÇÃO)


– Por que você está na minha casa? – pergunta Eve.

– Eu queria te ver – responde Vinalle.

– Por quê?

– Preciso de ajuda.

– Por quê?

– Preciso que alguém me ajude. Não quero mais fazer isso. Sei o que sou, sei que não sou normal e não tenho sentimentos como... Sinto muito. Não queria machucar o seu parceiro. Não quero machucar as pessoas. Eles me obrigam. Se não fizer o que mandam... Eve, não tenho para onde ir. Preciso de ajuda. Eve, por favor, sinto muito.

– Mentira. Meu Deus, você é muito babaca, Oksana – afirma Eve.

Em Killing Eve – série da BBC disponível na GloboPlay –, a meticulosa assassina de aluguel Villanelle (Jodie Comer) não faz questão de se esconder da polícia. Confiante em suas habilidades, propositalmente esbarra com detetives em banheiros públicos, estações de trem e até invade as casas deles. “Força” um jantar com a detetive Eve Polastri (Sandra Oh), come lasanha e se ofende ao ser chamada de psicopata. “Nunca diga a um psicopata que ele é um psicopata, isso chateia”, reage.

O teatro da criminosa não convence Eve, que observa seus movimentos com fascinação e reprimendas. Esperta, Villanelle sempre escapa dos agentes.

Killing Eve acerta em tudo a que se propõe. Inventivo, o roteiro foge dos clichês, com personagens bem construídas, dispensando as figuras masculinas sempre protagonistas de atrações do gênero. A química entre Eve e Villanelle impressiona, ainda que as duas raramente contracenem de fato.

Este ano, a canadense Sandra Oh fez história ao ganhar o Globo de Ouro pelo papel de Eve. Descendente de coreanos, tornou-se a primeira asiática a conquistar dois troféus na premiação – o primeiro veio em 2006, pela atuação como a doutora Cristina Yang em Grey’s anatomy.

* Estagiária sob supervisão da editora-assistente Ângela Faria


Publicidade