Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Free solo na telinha

Documentário que concorre ao Oscar e já ganhou o Bafta deste ano estreia na TV brasileira, no National Geographic. Filme mostra o desafio histórico do alpinista Alex Honnold ao escalar o El Capitan, na Califórnia


postado em 21/02/2019 05:13

(foto: Fotos: National Geographic/Divulgação)
(foto: Fotos: National Geographic/Divulgação)



Não há outra opção para o alpinista Alex Honnold em seu desafio registrado pelo filme de documentário Free solo, que concorre ao Oscar de 2019 em sua categoria. Ou ele escala o paredão rochoso El Capitan, na Califórnia, de mais de 900 metros, ou morre, já que não usa qualquer tipo de proteção na subida. Honnold encarou o desafio usando as próprias mãos, sem ao menos usar luvas.

O feito histórico de Alex Honnold poderá ser visto na TV brasileira. O filme, dirigido por E. Chai Vasarhelyi e Jimmy Chin, estreia no canal National Geographic em 9 de março, quando já vai se saber se o filme levou ou não a estatueta de melhor documentário no Oscar deste ano, cuja cerimônia será realizada no domingo (24).

A Academia Britânica de Artes Cinematográficas e Televisivas, ou Bafta, na sigla em inglês, já premiou, no último dia 10,  a produção como o melhor documentário do ano. O prêmio é considerado o Oscar britânico. Free solo venceu outro filme indicado ao Oscar, RBG, que também disputava o Bafta. McQueen, Three identical strangers e They shall not grow old, de Peter Jackson, foram os outros concorrentes.

Já a disputa ao Oscar de melhor documentário, além de Free solo e RBG, terá também os filmes Hale county, Minding the gap e Of fathers and sons.

O documentário Free solo mostra não apenas a escalada de Alex Honnold em si, mas também sua vida pessoal e sua preparação para o evento, que contou com alguns contratempos e lesões inesperadas. Para a diretora E. Chai Vasarhelyi, a decisão de mostrar todas essas facetas de Honnold foi bem pessoal, já que ela é casada com um alpinista, o seu parceiro na direção do filme, Jimmy Chin.

FAMÍLIA “Para mim, era mais importante que o filme explorasse não só os diálogos internos de Alex, como também suas relações pessoais, com sua família e amigos, assim como sua recente relação com sua namorada, Sanni McCandless”, afirma a diretora, em nota. “A história de Alex tem uma grande qualidade inspiradora que me afetou profundamente e eu quis comunicar esses temas aos espectadores.”

Mas, claro, o filme também contou com cenas da escalada em si, que podem ser aflitivas aos espectadores. Por ser alpinista profissional, Jimmy Chin sabe o quão perigosa pode ser a escalada. “A escalada em solo integral requer um compromisso extraordinário porque se escala sem um sistema de segurança como suporte. Em poucas palavras, se não o faz com perfeição, você morre”, disse ele, também em nota. “É a forma mais pura de escalar e a mais perigosa.”

Chin revela que foi preciso ter muita confiança em Honnold para ter certeza de que não registraria sua morte. “Ao fazer esse filme, tive que confiar em Alex desde o princípio, que sua decisão de escalar sem equipamentos de proteção o El Capitan só seria tomada se ele estivesse 100% preparado.”


Publicidade