Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Atropelado pelo desejo de matar


postado em 07/02/2019 05:07

Em entrevista para divulgar Vingança a sangue frio, o ator Liam Neeson confessou ter tido vontade de assassinar um %u201Cnegro bastardo%u201D depois que uma amiga lhe contou ter sido estuprada por um homem negro (foto: Lionsgate/Divulgação)
Em entrevista para divulgar Vingança a sangue frio, o ator Liam Neeson confessou ter tido vontade de assassinar um %u201Cnegro bastardo%u201D depois que uma amiga lhe contou ter sido estuprada por um homem negro (foto: Lionsgate/Divulgação)

Em entrevista para divulgação do longa Vingança a sangue frio, de Hans Petter Moland, cuja estreia no Brasil está prevista para a próxima quinta (14), o ator irlandês Liam Neeson deu declarações que desviaram completamente o foco do filme e o colocaram numa intensa polêmica.

No longa, Neeson interpreta o motorista de um veículo limpa-neve merecedor do título de “Cidadão do Ano” em sua cidade – um local turístico nas Montanhas Rochosas. Quando seu filho é assassinado por uma gangue de traficantes, ele se lança a uma empreitada de vingança.

Falando sobre o impulso de vingança em entrevista ao jornal britânico The Independent, Neeson citou um episódio de sua vida em que teve vontade de matar um “negro bastardo” quando uma amiga lhe contou, décadas atrás, que havia sido estuprada por um homem negro.

“Fui deliberadamente a zonas negras da cidade procurando ser atacado”, disse o ator, de 66 anos. Ele contou ter circulado por esses lugares várias vezes carregando um porrete e com a esperança de que um homem negro puxasse briga com ele.

“Estou envergonhado de dizer isso, fiz isso talvez por uma semana, esperando que um negro bastardo saísse de um bar e me atacasse por alguma coisa, sabe? Assim eu poderia... matá-lo”, foram suas declarações, cujo áudio o Independent divulgou, depois da repercussão das declarações.

PADRE “Foi horrível, horrível quando penso no que fiz. E nunca admiti isso”, acrescentou. No fim das contas, não ocorreu nenhum fato violento e Neeson acrescentou: “Me impactou e me feriu... procurei ajuda, fui ver um padre”, afirmou.

Depois da onda de indignação em relação às declarações de Neeson, ele deu nova entrevista a uma TV americana, na qual negou ser racista. “Não sou racista”, disse à ABC, embora tenha voltado a admitir que, há cerca de 40 anos, sentiu uma “necessidade primária de atacar” depois de ouvir uma amiga próxima dizer que tinha sido estuprada por um homem negro.

Ao insistir em que não é racista, o ator disse que sua reação ressalta a necessidade de um debate mais amplo na sociedade sobre a condição de raça. “Se ela tivesse dito um irlandês, um escocês, um britânico ou um lituano, eu teria tido – sei que teria tido – a mesma reação. Estava tentando ter honra, defender minha amiga querida de uma forma terrivelmente medieval”, disse o ator, que é da Irlanda do Norte.

O estúdio Lionsgate cancelou a pré-estreia de Vingança a sangue frio, que teria o elenco desfilando pelo tapete vermelho, na terça-feira (5), em Nova York. De acordo com o canal Fox News, começa a circular nas redes sociais uma campanha para que Neeson seja removido digitalmente de MIB: Homens de preto – Internacional, cujo lançamento está previsto para 13 de junho. (AFP)


Publicidade