Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

helvécio carlos


postado em 28/01/2019 05:11

Henrique Portugal(foto: Letícia Souza/Divulgação)
Henrique Portugal (foto: Letícia Souza/Divulgação)

PALÁCIO DAS ARTES
O CALOR REINA

Por um bom tempo, o público terá de aguentar o calor no Grande Teatro do Palácio das Artes. Anteontem, a plateia de Na era do rádio ficou incomodada com a temperatura. O problema não foi igual ao enfrentado pelo ator Paulo Gustavo, que, nos dias 19 e 20, demonstrou publicamente seu descontentamento depois das sessões de Minha mãe é uma peça. O ar-condicionado pifou e, em certo momento, a luz apagou. O elenco de Na era do rádio não se queixou nem demonstrou incômodo durante os 90 minutos do musical. Porém, na plateia, as pessoas se abanavam se mexiam na cadeira, em busca de um pouco de conforto.

****


O pior é que não há previsão sobre quando serão trocados os dois compressores do ar-condicionado, pois a decisão depende do governo do estado, responsável pela administração do Palácio das Artes. Enquanto isso, é melhor levar leques e miniventiladores. No fim de semana, tem show do Ira no Grande Teatro.

 

MIMULUS
DIFERENTES PONTOS DE VISTA

Em 9 e 10 de fevereiro, Amargo, o mais recente espetáculo da Mimulus, vai chegar – com cara de estreia – à campanha de popularização. As sessões ocorrerão no Palácio das Artes. Jomar Mesquita, diretor do grupo de dança de salão, conta que as primeiras apresentações foram realizadas na sede da companhia, em agosto do ano passado. “Agora estamos estreando”, diz.

****

Amargo mostra a importância das diferentes formas de olhar e dos diferentes pontos de vista. O cenário é simples, mas, segundo Jomar, guarda surpresas bem legais. “O público assiste a toda a primeira parte acreditando que vê apenas uma caixa cênica. No meio da apresentação, a plateia é surpreendida por algo inesperado. Metaforicamente, exibimos o âmago da companhia, o outro lado”, resume, guardando segredo sobre o cenário. Em alguns momentos da trilha sonora, as canções ganham de duas a três versões diferentes. “A ideia é também mostrar as diferentes formas de ouvir a mesma coisa”, diz Jomar.

****

Uma das fontes de pesquisa da Mimulus foi o documentário Janela da alma, de João Jardim, que reúne depoimentos do cineasta Wim Wenders e do escritor José Saramago sobre a importância de valorizar diferentes pontos de vista. “Você precisa dar a volta e ver o outro lado”, reforça Jomar Mesquita. Assinado por Baby Mesquita, Juliana Macedo e Ednara Botrel, o figurino recicla peças de outras montagens da companhia. “Isso representa como, nestes dias de hoje, temos de nos reinventar para conseguir sobreviver”, diz o coreógrafo.

MESA BRASIL
COMBATE À FOME

Um dos projetos mais importantes no combate à fome do país, o Mesa Brasil Sesc foi integrado à Rede Brasileira de Bancos de Alimentos do Governo Federal. A expectativa é de que a parceria ajude a alimentar a população e evitar o desperdício. Para se ter uma ideia, no ano passado, o Mesa Brasil distribuiu 40 mil toneladas de alimentos e atendeu a
1,4 milhão de pessoas por dia.


Publicidade