Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Marcelo Veronez cai na folia com o Baile do Prazer

Conhecido pelo projeto 'Não sou nenhum Roberto', cantor e ator também canta no Corte Devassa e é o diretor artístico do Havayanas Usadas


postado em 26/01/2019 05:11

Em paralelo ao trabalho voltado para o carnaval de BH, o cantor e ator Marcelo Veronez prepara seu segundo disco (foto: ANA SOLARIS/DIVULGAÇÃO)
Em paralelo ao trabalho voltado para o carnaval de BH, o cantor e ator Marcelo Veronez prepara seu segundo disco (foto: ANA SOLARIS/DIVULGAÇÃO)


Dá para viver de carnaval em Belo Horizonte? E como! É o que Marcelo Veronez afirma. Desde novembro, o cantor e ator se dedica quase exclusivamente à produção de blocos e festas. Uma mudança e tanto, diga-se de passagem.

“Dez anos atrás eu nem gostava de carnaval, achava meio bobo. Odiava o verão, pessoas saudáveis, bronzeadas, só andava de calça jeans”, diz ele, lembrando-se de um antigo desabafo em post no Facebook que hoje o faz rir. Pois o Veronez carnavalesco só para bem depois da Quarta-feira de Cinzas.

Neste carnaval, ele está envolvido em três iniciativas: é o diretor artístico do bloco Havayanas Usadas, um dos cantores do Corte Devassa e o vocalista do recém-lançado Baile do Prazer, que já fez duas apresentações em BH.

A atuação nos dois blocos vem de outros carnavais. Já o Baile do Prazer é um projeto novo, de banda mesmo. Veronez é o vocalista do grupo formado por Gustavo Caetano (o baterista é do Unidos Samba Queixinho), Isabela Leite e Daylon Gomide (percussionistas, ela do grupo de maracatu Pata de Leão e ele do Chama o Síndico), Marcos Frederico (guitarra baiana), Brenda Vieira (baixo) e Matheus Rocha (guitarra).

Veronez estava com Gustavo Caetano assistindo a um show de Moraes Moreira no Distrital do Cruzeiro. Quando vieram os versos de Bloco do prazer – “Pra libertar meu coração/Eu quero muito mais/Que o som da marcha lenta” –, os dois se entreolharam. Pouco depois, resolveram criar, inspirados pela música, o Baile do Prazer.

FREVO

É um baile-bloco ou um bloco-baile, dependendo da configuração. Com repertório baseado em frevo, forró e marchinhas – mas uma linguagem mais pesada, com sotaque mais roqueiro do que carnavalesco –, o Baile do Prazer fez dois shows em janeiro – um na Gruta, no Horto, e outro na cervejaria Jacinta, em Santa Efigênia. Outras datas deverão ser marcadas até o período carnavalesco.

Na rua, ele estreia em 17 de fevereiro, na Rua Pernambuco, Savassi. Como todos os integrantes estão envolvidos com outros blocos, o Baile só pode sair no pré-carnaval.

Como todo carnaval tem seu fim, Veronez vem aliando os preparativos da festa com sua produção autoral. Ator de formação, despontou no cenário musical com o show Não sou nenhum Roberto, em que relê, com acento autoral, a obra do Rei. O show já tem 10 anos e, inventivo que é, Veronez traz uma novidade a cada apresentação.

Em paralelo a esse trabalho, ele lançou, em 2017, Narciso deu um grito, seu primeiro álbum, com boa parte do repertório criado a partir de canções de compositores da nova geração da cena mineira. “Mesmo estando fechado para o carnaval, comecei a receber algumas músicas de amigos. Estou pensando na possibilidade de fazer um disco de forma diferente, com uma estrutura menor, minimalista. E as músicas que recebi estão ‘casando’ com essa ideia”, comenta ele, que já trabalha em estúdio.

Em início de pré-produção, o disco está sendo concebido por Veronez com os músicos Yuri Vellasco e Paulinho Sartori, que também participaram de Narciso. “No ano passado, fiz com o Barulhista um projeto em que sempre convidávamos algum outro músico (o pianista David Fonseca e o violonista Thiago Delegado foram alguns deles). O formato de trio me inspirou para o disco novo. O Narciso era muito rebuscado, cheio de instrumentos, quase 60 pessoas na ficha técnica”, comenta Veronez.


Publicidade