Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

CARDI B PROTESTA


postado em 19/01/2019 05:02

Filha de imigrantes, a rapper indicada a cinco Grammys pediu %u201Cação%u201D contra o republicano em seu Instagram(foto: GASTON DE CARDENAS/AFP)
Filha de imigrantes, a rapper indicada a cinco Grammys pediu %u201Cação%u201D contra o republicano em seu Instagram (foto: GASTON DE CARDENAS/AFP)

A rapper do momento nos Estados Unidos, Cardi B, que tem cinco indicações ao Grammy 2019, publicou um vídeo em seu Instagram atacando o presidente Donald Trump pela paralisação parcial do governo, que já dura quatro semanas.

A artista nascida no Bronx, com 40 milhões de seguidores na rede social, questionou duramente o presidente por pedir aos funcionários estatais que estavam de licença pelo shutdown que executem tarefas vitais para o governo sem receber salário.

“Trump está mandando que os funcionários do governo federal voltem a trabalhar sem receber”, disse no vídeo a cantora, conhecida por hits como Bodak yellow e I like it. “Não quero escutá-los, filhos da p..., dizendo ‘Ah, mas o Obama fechou o governo durante 17 dias’”, disse, referindo-se ao shutdown ocorrido durante a presidência do democrata, em 2013. “Sim, vadia! Pela saúde! Para que sua avó possa medir a pressão”, continuou.

“Nós realmente precisamos levar isso a sério”, disse Cardi B a seus fãs sobre o shutdown, que persiste devido à falta de acordo entre Trump e os democratas no Congresso, aos quais ele pede US$ 5,7 bilhões para construir um muro na fronteira com o México para barrar a imigração ilegal.

“Nosso país está no inferno”, disse Cardi B. “Tudo para a p... de um muro. É uma loucura”, disse Cardi B, cujo pai é dominicano e a mãe, de Trinidad. “Acho que devemos fazer alguma coisa.” (AFP)


Publicidade