Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

OS PRIMEIROS 10

Os baianos da Maglore chegam hoje a BH com a turnê comemorativa da primeira década de carreira da banda e planejam primeiro registro ao vivo do show, que reúne canções de seus quatro álbuns


postado em 19/01/2019 05:02

Os integrantes da Maglore se mudaram para São Paulo há sete anos, o que viabilizou
Os integrantes da Maglore se mudaram para São Paulo há sete anos, o que viabilizou "a permanência da banda no cenário musical", segundo o vocalista Teago Oliveira (foto: DUANE CARVALHO/DIVULGAÇÃO)

Dez anos, quatro álbuns, centenas de shows. É muita história (e estrada) para deixar a data passar batida. A banda soteropolitana Maglore começou 2019 em ritmo de festa. Hoje, n’A Autêntica, a “casa” do grupo em Belo Horizonte, o quarteto faz um show para celebrar sua primeira década.

A temporada comemorativa, iniciada na sexta, em Brasília, irá além dos palcos. No dia 25, no Cine Joia, em São Paulo, a banda faz o registro ao vivo do show. “Hoje temos um volume grande de músicas e nunca tivemos um registro oficial ao vivo. Sentimos que era hora de fazer isto, trabalhar uma turnê e partir para um novo disco em 2020”, afirma o vocalista e guitarra Teago Oliveira.

Somente na véspera da nova turnê o Maglore fez alguns ensaios. Isso porque o repertório do novo show abrange todos os álbuns – Veroz (2011), Vamos pra rua (2013), III (2015) e Todas as bandeiras (2017) – e traz músicas que a banda não toca há tempos. Entre elas, Teago destaca Às vezes um chichê, Demodê e Enquanto sós, do álbum de estreia, e Vampiro da Rua XV, do terceiro.

PARTICIPAÇÃO O show, como todos os que a banda faz em BH, terá a participação de Leonardo Marques, um dos sócios d’A Autêntica e coprodutor de Todas as bandeiras. Deste álbum há uma novidade que acabou de chegar às plataformas digitais. Me deixa legal (2017), canção que fala sobre a rapidez da vida contemporânea, ganhou um remix do DJ e produtor Deeplick.

Teago comenta que a banda chegou a pensar em montar um repertório cronológico. “Só que sentimos que o show tinha ficado meio esquizofrênico. Então resolvemos colocar as músicas mais agitadas do primeiro e do terceiro discos juntas e as menos em outro bloco.”

A Maglore vai tocar ainda Não existe saudade no cosmos, gravada em 2018 por Erasmo Carlos no disco Amor é isso. A composição, de Teago, foi o primeiro single do álbum do Tremendão, um registro que inclui canções de Marcelo Camelo, Nando Reis, Arnaldo Antunes e Marisa Monte. Outro medalhão que vem cantando versos compostos pelo vocalista é Gal Costa, que incluiu Motor, gravada pela Maglore em Vamos pra rua, na turnê A pele do futuro – o show será apresentado no Palácio das Artes em 16 de fevereiro.

O grupo, formado ainda por Leonardo Brandão (guitarra e teclado), Lucas Oliveira (baixo e vocal) e Felipe Dieder (bateria), radicou-se há sete anos em São Paulo. Segundo Teago, a mudança foi determinante “para a permanência da banda no cenário musical.” “Viver de arte e de cultura no Brasil é sempre um desafio. No meu caso particular, tenho tido menos dificuldade do que esperava. Chegamos ao fim de 2018 com mais de 50 shows”, afirma.

MAGLORE E RENASCENTES
Show neste sábado (19), a partir das 22h, n’A Autêntica, Rua Alagoas, 1.172, Savassi. Ingressos: R$ 30.


Publicidade