Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Humor em tempos de guerra


postado em 18/01/2019 05:04

O Exército Republicano Irlandês (IRA) explode bombas, católicos e protestantes se odeiam, soldados exibem fuzis, policiando as ruas da pequena cidade de Derry. O pau está quebrando, mas Erin, Orla, Clare, Michelle e James enfrentam outro “terrorismo”: a adolescência. Derry girls (Netflix) é crônica bem-humorada do dia a dia de jovens às voltas com a típica crise dos 16. Naqueles anos 1990, a barra pesa na Irlanda do Norte – tanto que o inglesinho James se vê obrigado a estudar na escola de freiras só para meninas para não ser trucidado por colegas irlandeses. Os cinco amigos batem de frente com a caretice local. E, definitivamente, não se encaixam no padrão daqueles sitcoms “escolares” americanos. A seu modo, o quinteto dribla o ódio político e religioso. Nos seis episódios da primeira temporada da série norte-irlandesa, ninguém é bonitinho, charmosinho ou cool. A começar pela família de Erin. O vovô é o próprio “terror do IRA” na vida do genro. No papel desse patriarca está o ótimo Ian McElhinney, o Sor Barristan Selmy de Game of thrones. Passionais, excêntricos e, vá lá, meio exagerados, esses irlandeses têm um jeito todo particular de fazer humor. No início, até nos parecem estranhos. Mas eles sabem fazer rir, apesar da ameaça de bomba ali do lado.


Publicidade