Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Perseguição


postado em 14/01/2019 05:05


Alguém me informou, não sei quando, que é proibido fazer ligações telefônicas institucionais depois das 20h. Não sei se vale, mas recebi também um número que serve para evitar esse suplício. Valeu durante algum tempo, mas não vale para quem mais devia valer: a empresa Oi, especializada em linhas telefônicas. O pior da história é que as chamadas são eletrônicas e então não adianta nada você querer soltar os cachorros em quem chama.

Não existe hora, não existe dia, não existe nada que impeça o tormento, que, pela primeira fala de quem liga, oferece a quem atende um benefício que nunca fiquei sabendo o que é. Outro dia, os telefonemas começaram depois das oito da noite e foram virando as horas. Tive que desligar o aparelho para ficar livre da perseguição – e quem precisou falar comigo não conseguiu, porque eu estava sem telefone. Já tentei por todos os meios conhecidos ficar livre dessa perseguição – que, por sinal, não é só comigo, vários conhecidos passam pelo mesmo problema.

Fico imaginando que tipo de contato é esse que uma das principais empresas de comunicação agiliza para perseguir seus usuários. É legal? Meio de terminar com isso parece que não existe, porque a voz gravada não merece nem a descompostura que temos vontade de passar, quando as ligações começam. O interessante do problema é que ele não é eventual, acontece todos os dias, em todas as horas, domingos, dias santos e feriados. Pode?

Quando usei o número que impede ligações desse tipo, fiquei livre principalmente dos espertos que esperam que o pateta do outro lado caia na maracutaia que estão oferecendo, usando o anonimato. Mas o que é que pode ser feito para ficar livre de uma empresa que vende e funciona exatamente com o serviço? Não dá para saber, ainda mais que o cliente perseguido não sabe como é que essas ligações são feitas, parecem automáticas, vão ter que ser aguentadas pelo resto da vida. Ou até que um poderoso se movimente para quebrar esse canal de perseguição.

Fiquei sabendo, outro dia, de um colega que faz programa de noticiário na TV e que estava sofrendo com um tipo de ofertas sem fim, de medicamentos para acirramento sexual até mangueira que cresce quando é usada para molhar o jardim, aproveitou sua visibilidade no ar para mandar os afoitos colocarem suas ofertas onde todos sabem, mas não posso falar aqui. Aliás, já comentei aqui que o computador também tem dessas aleivosias. O número de e-mails que mandam, todos os dias, sobre os mesmos produtos, dá lucro para as agências que os enviam, porque são contabilizados. Ligação da Oi não deve ter custo, por causa disso são tantas e tão constantes. Os e-mails também dão trabalho para ser apagados, mas incomodam menos do que as ligações telefônicas.

De qualquer forma, me valendo desse veículo de comunicação, rogo aos diretores da Oi que deem trégua a quem não quer mudar nada em seu contrato, a não ser, talvez, mudar de empresa para ficar livre da perseguição. Canseira igual a essa ninguém aguenta. Na última quarta-feira, só para exemplificar, as ligações começaram depois das 21h. Atrapalhando o descanso de quem trabalhou o dia inteiro.


Publicidade